Estampa colaborativa levanta fundo para a comunidade LGBTQI+

Estampa colaborativa levanta fundo para a comunidade LGBTQI+

Foto: Divulgação

Publicado em Beneficente 19/06/2020 às 8:29

Cerca de 20 artistas LGBTQI+ criaram artes para uma estampa colaborativa com o objetivo de levantar fundos para a comunidade. O mosaico com as artes está impresso numa camiseta posta à venda pelas redes sociais da ação, batizada Suporte. A renda obtida será destinada a duas instituições de amparo a pessoas LGBTQI+: o Instituto Transviver e a Casa Chamas. Sendo que 1/3 do total arrecadado será partilhado com os artistas.

Suporte surgiu da inquietação de um grupo de amigos frente ao agravamento da vulnerabilidade social e psicológica da população LGBTQI+ na pandemia do novo coronavírus. Dado da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), por exemplo, estima que 90% das pessoas trans atuam na informalidade, mercado severamente atingido pela crise de agora.

“É um produto visualmente muito interessante, pois reúne artistas incríveis dos mais variados pontos de vista e estética, todos em uma só arte e, o mais importante, em prol de uma causa e passando variadas mensagens de conforto”, diz Marcela Nunes, uma das pessoas que colaborou na criação do projeto, gestado e desenvolvido em dois meses.

As artes refletem o contexto da pandemia e os artistas são de várias cidades do País. Do Recife, participam Furmiga (furmig) e Mario Bros (@mariobros_).

As camisetas Suporte estarão à venda até o dia 26 e custam R$ 100.

LEIA TAMBÉM:

Psicólogo alerta para saúde mental da população LGBTQI+ na quarentena

Conheça as instituições:

Instituto Transviver

Novo projeto no Recife, oferece acolhimento, apoio psicológico e encaminhamento psicoterapêutico para pessoas trans, com plano de ampliar para as populações L, G e B. “O propósito do projeto é inicialmente dar equilíbrio para que pessoas trans possam iniciar um processo de inserção na sociedade através do convívio familiar e social”, afirma Regina Guimarães. Encaminhamentos para empregabilidade, qualificação profissional, lazer, acompanhamento hormonal, retificação de prenome e outras demandas também constam nos planos.

Casa Chama

Apresentada como uma associação de cuidados LGBTQIPA+ plural e fluida, está comprometida em atuar como um espaço de discussão e ações focadas nas pessoas travestis, transexuais, transgêneras, transvestigênere e não-binárias. Ambiente de convívio seguro, produz desde eventos culturais e grupos de estudo até projetos de cuidado, através de organizações civis e por ações colaborativas.

Compartilhe
Tags:
Publicado por
Romero Rafael

Comentários