São João NE10

Arraiais juninos cedem espaço à solidariedade

Arraiais juninos cedem espaço à solidariedade

Solidariedade aos quadrilheiros é o intuito da campanha Pau de Arara criada pela Federação de Quadrilhas de Pernambuco - FEQUAJUPE. Foto: Acervo JC Imagem

Publicado em Conteúdo Patrocinado São João NE10 18/06/2020 às 8:30

Com as comemorações de São João suspensas diante do novo coronavírus, iniciativas buscam ajudar os profissionais que dependem financeiramente da festa

Forró, comidas típicas, quadrilhas: a festa de São João no Nordeste começa bem antes do dia 24 de junho. Celebração tradicional na região, este ano as comemorações foram suspensas para ajudar no enfrentamento à Covid-19. E quem trabalhava se apresentando para o público ou nos bastidores da festa agora passa a contar com a solidariedade de iniciativas públicas e populares para transformar esse momento, que é sempre marcado por alegria, em ajuda ao próximo.

No Recife, a Prefeitura garantiu o arrasta-pé mesmo dentro de casa. Uma programação com mais de 300 apresentações por lives e duas Forroviocas circulando por diversos bairros da capital vão animar os recifenses – para quem não conhece, a forrovioca é a tradicional Frevioca, que percorre a cidade durante o Carnaval, agora adaptada para os festejos juninos. Além de toda a festa virtual que foi preparada, a solidariedade pensada para o momento é ponto de destaque do São João 2020.

“Vai ser uma festa diferente, mas mantendo a tradição, valorizando nossa cultura, nossos artistas e toda a cadeia produtiva, que foi fortemente impactada pela pandemia. Estamos realizando o São João a partir dessa iniciativa com lives e forroviocas pelos bairros, onde estaremos contratando artistas para que eles possam receber cachês nessa época. Além disso, os pequenos empreendedores que trabalham durante esse tipo de evento vão receber cestas básicas. As pessoas também podem doar por meio das lives juninas, a partir de QR codes que serão disponibilizados na tela. Os valores arrecadados serão direcionados a partir da plataforma Quero Impactar para serem revertidos em cestas básicas, que já começaram a ser entregues para esse profissionais”, explica a secretária de Turismo, Esportes e Lazer do Recife, Ana Paula Vilaça.

Músicos animarão o São João do Recife com forroviocas. Foto: Acervo JC Imagem.

No Agreste de Pernambuco, a cidade de Caruaru também preparou um São João em formato digital onde a solidariedade é o fio condutor. Na famosa Capital do Forró, a Prefeitura de Caruaru lançou a campanha “São João Caruaru Solidário” para arrecadar doações para os profissionais envolvidos na festa.

“Diante da pandemia da Covid-19 e da impossibilidade de fazer a festa nos moldes tradicionais, a Prefeitura de Caruaru criou o São João Solidário. A ideia é arrecadar doações e distribuir cestas básicas e kits de higiene para os artistas, que esperam o ano todo para trabalhar na festa, além de toda a cadeia produtiva envolvida, que compreende mais de 15 mil pessoas, entre empregos diretos e indiretos”, explica Rubens Jr, presidente da Fundação de Cultura e Turismo de Caruaru.

O São João Caruaru Solidário é uma ação da Prefeitura, com o apoio da plataforma Transforma Caruaru e entidades da sociedade civil. As doações podem ser feitas pelo site e busca atender a todos os envolvidos na festa. “As doações já começaram a ser entregues na semana passada, para  bacamarteiros; integrantes de quadrilhas e grupos de dança; atores e atrizes; além de artesãos e artesãs e demais artistas plásticos do Alto do Moura. Os próximos a receber são os gasoseiros e barraqueiros que trabalham na festa”, complementa Rubens Jr.

Toda cadeia produtiva envolvida no São João está envolvida nas iniciativas municipais de solidariedade. Foto: Acervo JC Imagem

Já o São João de Petrolina, no Sertão do Estado, uniu solidariedade e campanha educativa para arrecadar doações e reforçar a importância dos cuidados pessoais para o combate ao coronavírus. Com o apoio da Prefeitura, o Transforma Petrolina está atuando junto a organizações não governamentais (ONGs) para levar ajuda a quem precisa, como conta a assessora técnica do projeto, Kátia Carvalho.

“Começamos a campanha em março, quando foi instaurado o isolamento social em Petrolina, para arrecadar donativos. Nosso foco é mais que doar, é de caráter educativo também, para que todo mundo entenda sobre o vírus e saiba o que pode ser feito para se manter em segurança. Agora, no São João, a campanha continua com as lives solidárias e as pessoas podem continuar doando no site ou entrando em contato pelo Instagram do Transforma e nós fazemos a coleta. Tem sido uma grande surpresa a colaboração das pessoas, principalmente nos bairros periféricos”, explica Kátia.

Quadrilheiros também precisam de ajuda 

As tradicionais quadrilhas, que dão um colorido especial a qualquer festa junina, este ano não poderão se apresentar, por causa do impedimento às aglomerações. E os quadrilheiros que integram os grupos, assim como toda cadeia produtiva dessa época, também estão precisando de ajuda. A presidenta da Federação de Quadrilhas Juninas de Pernambuco (Fequajupe), Michelly Miguel, criou o projeto Pau de Arara para chamar atenção para a importância dessas doações que, infelizmente, ainda são escassas.

“Muitas pessoas não conseguiram entender a importância da arrecadação. O projeto foi pensado na solidariedade, no amor, para aquelas pessoas que tanto levam alegria por todo o Estado, nessa época. Este mês, todos estariam nos arraiais, assistindo essas apresentações, dançando e se divertindo, mas este ano a festa precisa ser diferente, precisa ser um São João de solidariedade”, lembra Michelly.

Quadrilheiros contam com a ajuda da população, que esta época do ano marcam presença dos arraiais. Foto: Acervo JC Imagem

A iniciativa surgiu no começo de abril, quando um quadrilheiro pediu ajuda à presidenta. Depois, outros quadrilheiros entraram em contato com Michelly, também solicitando apoio e ela, pensando em como resolver, teve a ideia de criar o projeto. “O pau de arara, para o nosso sertanejo, no interior, foi a esperança de dias melhores, durante muito tempo. Porque era no pau de arara que eles viajavam para a capital. Esse projeto busca fazer o mesmo, levar esperança para quem precisa de ajuda”, explica a presidenta.

O projeto já realizou uma primeira etapa, com a ajuda de parceiros e amigos, arrecadando cestas que atenderam quadrilheiros do Recife e da Região Metropolitana. Agora, na segunda etapa, a meta é arrecadar 500 cestas básicas e levar para os demais cadastrados e alguns grupos do interior que, mesmo não tendo pedido de ajuda à Federação, precisam desse apoio neste momento. “As quadrilhas são um ponto de apoio para muita gente nesse projeto. Fazemos campanhas nos municípios para que as pessoas da região possam ajudar e ampliar essa corrente de solidariedade”, complementa.

No Instagram da Fequajupe, é possível entrar em contato e ter mais informações sobre como ajudar os quadrilheiros pernambucanos a passar por esse momento de forma mais leve. 

Compartilhe
Publicado por
Mariane Monteiro

Comentários