ATITUTE

Lady Gaga fecha loja virtual em protesto conta o racismo

Lady Gaga fecha loja virtual em protesto conta o racismo
Publicado em Notas 3/06/2020 às 10:14

Depois de lançar seu sexto álbum de estúdio, Chromatica, na última sexta-feira (29), Lady Gaga fechou a sua loja virtual, nesta terça-feira (02), em protesto contra a morte de George Floyd e em apoio ao movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam).

Chromatica: Lady Gaga vira caminhoneira para ajudar na distribuição do seu mais novo álbum

 Ao entrar no site da loja, os fãs se deparam com uma longa mensagem escrita em primeira pessoa pela cantora: “Eu tenho muitas coisas a dizer sobre isso, mas a primeira coisa que quero dizer é que tenho medo de dizer qualquer coisa que incite mais raiva, embora essa seja precisamente a emoção justificada. Não desejo contribuir para mais violência, desejo contribuir para uma solução”, começa o comunicado.

“Estou tão indignada com a morte de George Floyd quanto com a morte exponencial de muitas vidas negras ao longo de centenas de anos que foram tiradas de nós neste país como resultado do racismo sistêmico e dos sistemas corruptos que o sustentam”, continua. “As vozes da comunidade negra foram silenciadas por muito tempo e esse silêncio provou ser mortal muitas e muitas vezes. E não importa o que eles façam para protestar, eles ainda são recebidos sem compaixão pelos líderes que devem protegê-los. Todos os dias as pessoas na América são racistas, isso é fato”.

“Agora é um momento crítico para a comunidade negra ser apoiada por todas as outras comunidades, para que possamos interromper algo que é intrinsecamente errado pela graça de Deus ou por qualquer criador em que você acredite ou não”, acrescenta a artista. Ela ainda fez críticas ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusando-o de ser ignorante, tolo e preconceituoso. “Ele está alimentando um sistema que já está enraizado no racismo e na atividade racista, e todos podemos ver o que está acontecendo”.

Lady Gaga ainda pediu: “Devemos mostrar nosso amor pela comunidade negra. Como uma mulher branca e privilegiada, faço um juramento de apoiar isso. Não temos uma comunidade privilegiada, fizemos o suficiente para combater o racismo e defender as pessoas que estão sendo mortas por ele”.

“Isso não é justiça. Esta é uma tragédia épica que define nosso país e existe há muito tempo. Estou triste. Estou com raiva. E usarei as palavras que encontrar para tentar comunicar o que precisa mudar da maneira mais eficaz e não violenta possível para mim”, concluiu.

Leia também:
Em live, Anitta admite que minimizava o racismo: “achava que estavam se vitimizando”
Paulo Gustavo cede conta do Instagram para escritora negra durante um mês
Após acusações de racismo e assédio por dançarina negra, MC Livinho se pronuncia: “Querem dar fama para a mina?”

Compartilhe
Publicado por
Anneliese Pires

Comentários