NA LATA

“Eu faço tudo ao contrário do que o presidente manda”, diz Alceu Valença sobre o atual momento do Brasil

“Eu faço tudo ao contrário do que o presidente manda”, diz Alceu Valença sobre o atual momento do Brasil

Alceu Valença - Foto: reprodução do Instagram @alceuvalenca

Publicado em Famosos 3/05/2020 às 3:58

Alceu Valença, que neste domingo (3) faz sua primeira live durante a quarentena, concedeu entrevista ao Estadão, em que falou sobre o isolamento e como tem se protegido do novo coronavírus. “Estamos passando por essa pandemia e eu faço tudo ao contrário do que o presidente manda. Quando ele fala pra ir para a rua, eu não, eu fico dentro de casa. É gripezinha? Não, a gripe é forte. Tem muita gente morrendo”, respondeu o cantor e compositor pernambucano, quando perguntado como avalia o Brasil atualmente.

Ele contou que tem passado os dias em casa, desde que a quarentena iniciou, e tem matado o tempo tocando violão. “Quando morei em Paris, no fim dos anos 1970, não tinha o que fazer e ficava tocando violão. Agora, o dia todinho sem ter o que fazer, fico tocando coisas do meu repertório e algumas coisas de Luiz Gonzaga. Fico me lembrando de São Bento do Una, onde nasci. Aí me lembro de Olinda e começo a cantar coisas de Olinda. Depois me lembro de São Paulo, de músicas que fiz na cidade. Aí canto música que fiz em Minas Gerais, Solidão, e uma música que eu fiz em Nova York, Tesoura do Desejo. Fico o tempo o todo viajando nessas histórias.”

Questionado quanto ao que fará quando acabar a quarentena, disse que pretende retornar aos palcos e às origens: “Fazer shows, viajar e passar um tempo em São Bento do Una [cidade onde nasceu], no meio do mato, ouvindo os passarinhos e sons da natureza”.

Alceu Valença citou, ainda, Juliano Holanda, Almério e Isabela Moraes entre os artistas da nova cena musical pernambucana que o agradam. “É preciso que a gente acolha essas pessoas.”

Compartilhe
Publicado por
Romero Rafael

Comentários