INDENIZAÇÃO

Crianças que estamparam a capa de ‘Clube da Esquina’ processam Milton Nascimento

Crianças que estamparam a capa de ‘Clube da Esquina’ processam Milton Nascimento

Cacau e Tonho não sabiam que foram capa do 'Clube da Esquina' (Foto: Reprodução/Instagram)

Publicado em Famosos Música 14/02/2020 às 7:47

Uma das capas de álbum mais icônicas da história da música popular brasileira parece ter muito a revelar. ‘Clube da Esquina’, lançado em 1972, é considerado um clássico. Na imagem, duas crianças desconfiadas com a câmera estão sentadas no chão de terra. Porém, como será que estão essas crianças atualmente?

LEIA MAIS: Milton Nascimento canta em homenagem a Marielle Franco no “Encontro”

No imaginário popular, as duas crianças eram, na verdade Milton Nascimento e Lô Borges – os nomes por trás do álbum. No entanto, de acordo com a Folha de São Paulo, não foi bem assim. Antônio Carlos Rosa de Oliveira é o ‘Cacau’, e José Antônio Rimes é o ‘Tonho’.

A dupla, inclusive, passou 40 anos sem saber que estampava a capa de ‘Clube da Esquina’. E isso foi o que levou os dois a pedirem, desde 2012, R$ 500 mil por uso indevido da imagem e danos morais.

No alvo do processo se encontra Milton Nascimento, Lô Borges e a gravadora responsável pelo lançamento, EMI, e a editora Abril. Essa última devido a reedição do álbum, justamente em 2012.

Tonho e Cacau tomaram conhecimento da capa do álbum justamente nesse ano por conta de uma reportagem. Realizada pelo jornal Estado de Minas, os dois foram encontrados para falar sobre ‘Clube da Esquina’ 40 anos depois.

“Nunca soube disso. Foi ela [a jornalista, Ana Clara Brant] que me descobriu”, contou Tonho. Ele alega não ter recebido nenhuma ajuda. “Fui correndo no advogado e contei a historia todinha. (…) Poderiam ter aviso meu pai ou minha mãe”.

Defesas

Milton Nascimento e Lô Borges não responderam os contatos da Folha de São Paulo. Os representantes legais dos artistas alegam que o prazo para a prescrição de indenizações desse tipo é de, no máximo, três anos. Enquanto isso, a gravadora EMI considera o valor cobrado como “astronômico” e se defende quanto ao uso indevido da imagem.

Compartilhe
Comentários