REPRESENTATIVIDADE

Pela primeira vez na história, Miss Universo, Miss EUA, Miss Teen EUA e Miss American são, simultaneamente, mulheres negras

Publicado em MODA/BELEZA Mulher 10/12/2019 às 8:45
Pela primeira vez na história, Miss Universo, Miss EUA, Miss Teen EUA e Miss American são, simultaneamente, mulheres negras

Pela primeira vez na história, a Miss Universo, Miss EUA, Miss Teen EUA e Miss American são negras (Foto: Reprodução/Instagram)

Apenas 25 anos após o surgimento do Miss Universo, a primeira mulher negra foi coroada como a mulher mais bonita do mundo. Janelle Commissiong marcou a trajetória dos concursos de beleza, que carregam na história a disparidade com mulheres negras.

LEIA MAIS: Conheça a sul-africana que venceu o Miss Universo 2019 e emocionou com discurso sobre representatividade

Já em 2019, a sul-africana Zozibini Tunzi venceu o Miss Universo na sua 68ª edição. Ela foi a primeira mulher com cabelos afro texturizados a receber a coroa, e integra o quadro de cinco mulheres negras a vencerem o concurso.

Porém, analisando os concursos de beleza em geral, a coroação de Zozibini significa muito mais. Isso porque o portal CNN apontou que, pela primeira vez na história, as principais competições do gênero reunem, simultaneamente, mulheres negras.

Além da Miss Universo, representada por Zozibini, a Miss USA Cheslie Kryst, Miss Teen USA Kaliegh Garris e Miss America Nia Franklin foram coroadas.

LEIA MAIS: Cinema: a importância da representatividade negra nas telonas

E qual seria a relevância? Além da representatividade de milhares de meninas, o discurso que cada miss carrega é essencial. Rompendo com o padrão estético estabelecido há decadas, as modelos carregam consigo causas sociais de peso.

Conheça

Começando por Zozibini, a Miss Universo emocionou na competição pelo seu discurso voltado para a representatividade, meio ambiente e contra a violência de gênero. Ela, que é ativista e formada em relações públicas, utiliza das redes sociais para disseminar ações pelas causas feministas.

LEIA MAIS: Maquiagem em pele negra sem mistério; veja dicas

Enquanto isso, a Miss Estados Unidos, Cheslie Kryst, se dedica a ajudar prisioneiros condenados injustamente. Advogada aos 28 anos, ela aborda sobre a reforma do sistema de justiça americano e também contra a violência de gênero dentro do próprio ambiente de trabalho.

A Miss Teen Estados Unidos surpreendeu ao usar o cabelo natural na competição. Cacheado e com volume, Kaliegh Garris alegou se sentir mais confiante e confortável com seus cachos.

Nia Franklin venceu o Miss America este ano e atualmente ela também é defensora das artes. Trabalhando em uma ONG, ela leva o poder da música para crianças e artistas. Aos 23 anos, a cantora de ópera revela que enfrentou o racismo e o deslocamento social através da música.

Compartilhe
Comentários