REPRESENTATIVIDADE

Diversidade racial na televisão tem sido um processo lento; Globo se destaca

Publicado em Jornalismo Notas TV 20/11/2019 às 12:09
Diversidade racial na televisão tem sido um processo lento; Globo se destaca

Maju Coutinho Foto: César Alves/TV Globo

No mês da Consciência Negra, falar sobre representatividade de pessoas negras ocupando diferentes espaços é essencial. Seja em novelas, telejornais ou nos bastidores, a diversidade racial é necessária para que represente, de fato, a população brasileira.

LEIA MAIS: Cinema: a importância da representatividade negra nas telonas

Na prática, as oportunidades para pessoas negras no espaço da televisão ainda é lenta. Dentro das grandes emissoras, a Globo é a que vem se adaptando com mais notoriedade.

Prova disso é a presença de jornalistas negros, cada vez mais presentes. Nomes como Glória Maria, Zileide Silva e a mais recente Maju Coutinho. Essas mulheres ocupam espaços de renome, apesar de ainda sofrerem com o racismo.

O casal Taís Araújo e Lázaro Ramos, considerado um dos mais influentes no mundo pela ONU, também tem forte presença no entretenimento. Seja no Popstar, na série ‘Mister Brau’ ou em outras produções, os globais ajudam a levantar a bandeira do movimento negro.

As outras emissoras, como SBT e Record, não chegam a ter nomes tão expressivos nas suas produções. Isso não mostra apenas os passos lentos para uma verdadeira mudança, como também reforça padrões difíceis de serem quebrados.

Exemplos claros são as novelas ‘Jesus’ e ‘Os Dez Mandamentos’, que tiveram o elenco predominantemente de pessoas brancas. Vale ressaltar que as duas histórias se passam em lugares que, historicamente, são originários de pessoas negras.

Estereótipos

Como nem tudo é flores, a grande emissora ainda comete faltas graves nesse quesito. Não faz muito tempo em que ela se envolveu em uma polêmica com o elenco de ‘Segundo Sol’ (2018).

A antiga novela das 21h não agradou muita gente pelo fato de se passar na Bahia, estado que concentra maior número de pessoas negras; e não ter nenhum negro de destaque na produção.

LEIA MAIS: Conheça Ana Flavia Cavalcanti: atriz dá voz a mulheres negras e a empregadas domésticas

Outro bom exemplo são as representações que contribuem para um estereótipo já formado. Ainda falando de telenovelas, quando se trata de cenas na periferia ou presídios, é fácil identificar qual a cor predominante do elenco.

Compartilhe
Comentários