INTIMIDADE

“Já tive, sim, romance com homens”, diz Reynaldo Gianecchini, que fala sobre sua sexualidade

Publicado em Famosos 29/09/2019 às 15:15
“Já tive, sim, romance com homens”, diz Reynaldo Gianecchini, que fala sobre sua sexualidade

Reynaldo Gianecchini em foto para o ensaio da revista Ela - Foto: Cristiano Madureira / reprodução do Instagram

Há um tempo que a orientação sexual de Reynaldo Gianecchini é vasculhada. Até que, em entrevista à revista Ela, do jornal O Globo, publicada neste domingo (29), o ator – no ar como Régis, em “A Dona do pedaço” – revela que já se relacionou com homens. “Já tive, sim, romance com outros homens, e acho que esse é o momento de dizer isso. Mas nunca me senti obrigado a empunhar bandeira da homossexualidade”, respondeu o ator de 46 anos à jornalista Ruth de Aquino, que perguntara se ele já havia transado com homens.

“O desejo para mim não passa pelo gênero nem pela idade. Demorei para falar porque isso esbarra sempre no tamanho do preconceito no Brasil. Mas agora é importante reafirmar a liberdade, por mim e por quem enfrenta repressão”, explica Reynaldo Gianecchini na entrevista.

Numa pergunta anterior, quando questionado se está bem com a própria sexualidade, em sua resposta, Gianecchini trata mais da ronda em torno desse detalhe da vida dele. “Eu reconheço todas as partes dentro de mim: o homem, a mulher, o gay, o hétero, o bissexual, a criança e o velho. Como dentro de todo mundo. A sexualidade é muito mais ampla e as pessoas são levianas. Querem te encaixar numa gaveta, e eu não consigo, porque a sexualidade é o canal da vida e a minha sexualidade não cabe numa gaveta.” Leia a resposta na íntegra:

“Todo mundo fala da minha sexualidade, né? Me cobram muito, ‘quando é que você vai sair do armário?’. Primeiro, quero falar para essas pessoas: antes de você achar tão interessante a sexualidade dos outros, dá uma olhadinha na sua. Talvez ela tenha mais nuances do que você pensa. Eu reconheço todas as partes dentro de mim: o homem, a mulher, o gay, o hétero, o bissexual, a criança e o velho. Como dentro de todo mundo. A sexualidade é muito mais ampla e as pessoas são levianas. Querem te encaixar numa gaveta, e eu não consigo, porque a sexualidade é o canal da vida e a minha sexualidade não cabe numa gaveta. Nossas questões e tabus passam por esse canal. Não é à toa que cada um tem seus fetiches, suas particularidades. E não tenho vontade de falar com quem estou transando, não preciso falar. Prezo minha liberdade de não citar nomes e proteger minha privacidade.

LEIA TAMBÉM: “Se for para me colocar em função da comunidade, pode escrever aí: sou viado”, diz Jesuita Barbosa

Compartilhe
Publicado por
Romero Rafael

Comentários