Caetano Veloso lamenta morte de Mr. Catra: “Representava coisas essenciais do ethos das periferias”

Caetano Veloso lamenta morte de Mr. Catra: “Representava coisas essenciais do ethos das periferias”

Mr. Catra e Caetano Veloso (Imagem: Reprodução)

Publicado em Música Vídeos 10/09/2018 às 7:48

O final de domingo mal tinha chegado com sua tristeza tradicional quando os fãs do funk foram golpeados com a notícia da morte de Mr. Catra. O funkeiro faleceu aos 49 anos devido a um câncer no estômago. O músico era considerado uma figura icônica: formado em direito e poliglota (falava 4 idiomas), ficou conhecido pelo seu funk “proibidão” e posicionamentos ousados.

Catra também era conhecido pelo seu carisma. Ele transitava em diferentes espaços culturais e conseguia ser querido em quase todos. Conseguia, por exemplo, cantar na periferia e fazer um dueto com Caetano Veloso. A cena explica o porquê da sua partida ter ultrapassado os espaços do ritmo, comovendo públicos não adeptos aos “pancadões”.

LEIA TAMBÉM > Taís Araújo volta a interpretar Elza Soares

Em tempo, Caetano Veloso também demonstrou sua tristeza pela morte do músico. No seu Facebook, o cantor lamentou a partida do funkeiro, que também era seu amigo. Eles cantaram a música Vaca Profana no programa Bagulho Doido, apresentado por Catra.

[facebookvideo https://www.facebook.com/FalaCaetano/videos/529460554142357/]

O vídeo do dueto foi compartilhado por Caetano. Junto ao trecho, ele também compartilhou um texto. Nele, contou como conheceu Mr. Catra e comentou sobre a vida do amigo, assim como seu papel de representante das periferias.

Confira o texto compartilhado por Caetano:

Quando, nos anos 90, o Orfeu de Cacá Diegues ficou pronto, fomos exibi-lo em Vigário Geral e no Vidigal. Em Vigário, houve um show em que eu cantava canções que compus para o filme e, representando o som de rap e funk das favelas que (para desgosto de Kenneth Maxwell) pontuava suas cenas, subiram ao palco MV Bill e Mr. Catra. Havia uma tela grande ao ar livre para projeção e um palco adjacente. Quando eu fui anunciado, um número simpático de moradores se aproximou e pude ver algumas caras atentas entre os que me ouviam. Quando Bill foi anunciado, houve aplausos mais intensos e cresceu muito o número de espectadores frente ao palco. Mas a multidão se multiplicou e delirava ao grito do nome de Mr. Catra. Muita gente vinha dos barracos, gente que nem tinha se abalado para vir ver o filme. Fiquei fã de Bill, cuja música já conhecia, impressionado com sua beleza, elegância e integridade. E Catra, que eu desconhecia totalmente, me fascinou para sempre. Fiquei amigo tanto de Bill quanto de Catra. Com Bill tenho tido mais colaboração e parceria. Mas Catra foi uma série de surpreendentes revelações. Sua voz, suas conversas, suas histórias, sua vida, sua obra. Em Vigário Geral ouvi coisas que vieram a ser conhecidas como funk proibidão. Depois ouvi de Catra autobiografia em que ele, criado por família branca de classe média, resolveu, adulto, ir viver na favela. Mais tarde, fui vê-lo cantar no Paris Café, no Recreio dos Bandeirantes, canções religiosas hebraicas sobre base eletrônica, entre damas da noite de salto alto e sem roupa. Seu amor por Israel era imenso. Sua visão da história era ousada e problematizada pessoalmente (“negros é que escravizaram negros e os venderam na costa”; “não precisamos de cotas mas de reencontrar a nobreza negra”; “não vou votar em ninguém em 2018: do jeito que tá hoje, me arrependo de ter lutado pela redemocratização”). Teve vida poligâmica organizada. Ele representava coisas essenciais do ethos das periferias urbanas brasileiras. E era um cara alto astral, que sabia gostar de viver. É um caso existencial que o Brasil deveria amadurecer para estudar. O povo e tantos de nós amadurecemos para amar. 32 filhos. Muita coisa para ser vivida em apenas 49 anos.

Caetano Velosos sobre Mr. Catra

Compartilhe
Publicado por
Victor Augusto

Comentários
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com