publicidade
08/08/18
Fafá de Belém no Programa do Bial (Imagem: Reprodução)
Fafá de Belém no Programa do Bial (Imagem: Reprodução)

Fafá de Belém defende descriminalização do aborto: “Nenhuma mulher faz aborto porque quer”

Publicado por Victor Augusto em Famosos às 7:53

Fafá de Belém foi a entrevistada do Programa do Bial dessa terça-feira (7). Na atração, ela falou sobre diversos temas, como música, religião, política, drogas e descriminalização do aborto. Sobre esse último tema, a cantora se posicionou de forma favorável, entendendo que a questão vai além do ato, levando em conta os motivos que levam uma mulher a abortar e os riscos que o procedimento clandestino oferece.

LEIA TAMBÉM: Joelma revela que Ximbinha está proibido de chegar próximo dela: “Sai do controle quando bebe”

“A gente tem que descriminalizar. Nenhuma mulher faz um aborto porque quer. É doloroso quando é necessário por problemas de saúde. Logo após Mariana nascer, eu não tinha condições físicas de ter outro filho. Engravidei, perdi a criança e fiquei um mês muito mal. Imagina uma menina estuprada ou que não tem condição de ter um filho”, disse Fafá de Belém para Pedro Bial.

Ainda sobre o tema, ela fez um alerta sobre os métodos clandestinos: “Temos que conscientizar a prevenção e cuidar dessas meninas que fazem o aborto com agulha de tricô, com lavagem de pimenta. É preciso descriminalizar e ter um atendimento a elas. O atendimento hoje pós-aborto é muito maior do do que se tivesse um preventivo”.

Drogas: “Ilegalidade causa curiosidade”

Quando o assunto foi “drogas”, Fafá de Belém usou sua vivência para abordar o tema: “Tive experiências, sempre fui muito curiosa. Um dia tinha um povo em casa, me olhei no espelho e me vi sendo tragada pelo que eu não queria. Falei ‘não quero mais’. Você não consegue parar. A decisão de parar tem que ser sua e da sua alma”.

Dessa forma, ela argumentou a favor da descriminalização: “É um grande comércio e um poder paralelo muito grande. Cigarro e álcool em excesso matam tanto quanto. A ilegalidade cria uma curiosidade entre os jovens. A gente tem que ter políticas públicas, fazendo como Amsterdam, que se tem uma cota para comprar”.



FECHAR