Martha Vasconcelos, os 48 anos da Miss Universo: que é que a baiana tem?

Martha Vasconcelos, os 48 anos da Miss Universo: que é que a baiana tem?
Publicado em Beleza 13/07/2016 às 6:16

por Fernando Machado
Especial para o Social1

“O que é que a baiana tem? / Que é que a baiana tem? / Tem torço de seda, tem! Tem brincos de ouro, tem! / Corrente de ouro, tem! / Tem pano-da-Costa, tem! / Tem bata rendada, tem! Pulseira de ouro, tem! / Tem saia engomada, tem! Sandália enfeitada, tem! / Tem graça como ninguém / Como ela requebra bem! / Quando você se requebrar Caia por cima de mim / Caia por cima de mim / Caia por cima de mim”. Quando Dorival Caymmi compôs esta canção, em 26 de dezembro de 1939, nunca imaginou que o júri do Miss Universo de 1968, em Miami, fosse olhar tanto para uma baiana.

As 64 candidatas em foto oficial (Foto: O Cruzeiro)

As 64 candidatas em foto oficial (Foto: O Cruzeiro)

Pois hoje, faz 48 anos, que Maria Martha Cordeiro Vasconcellos, Miss Brasil, era eleita no Miami Beach Auditorium, na Flórida, Miss Universo de 1968. Quando o apresentador Bob Baker anunciou o resultado Martha tomou um susto, pois não estava acreditando. A baiana, que foi a segunda brasileira vencer o concurso, a primeira foi Ieda Vargas, em 1963, disputou o titulo com mais 64 candidatas. Cerca de 800 brasileiros que foram torcer por Martha no Auditorium foram a loucura com o resultado. Claro que os daqui também.

As 15 semifinalistas (Foto: Manchete)

As 15 semifinalistas (Foto: Manchete)

As favoritas do concurso eram Martha Vasconcellos do Brasil, Anne Marie Braafheid de Curaçao, Anne Marie Hellqvist da Suécia, Daliborka Stojsic da Iugoslávia e Elizabeth Tavares, do Congo. A Miss África do Sul, Monica Fairall, causou frisson no desfile de gala, ao usar um vestido com as costas nuas até as nádegas e um decote generoso. Dizem as más línguas, que por esta razão, ficou fora do Top 15. E foi ao som de Mas que Nada, de Jorge Ben. Que as semifinalistas encararam a comissão julgadora para a etapa final.

Peggy, Anne, Martha, Leena e Dorothy, as cinco finalistas (Foto: Manchete)

Peggy, Anne, Martha, Leena e Dorothy, as cinco finalistas (Foto: Manchete)

As 15 semifinalistas foram Martha Vasconcellos (Brasil), Nancy Wilson (Canadá), Danae Monserrat (Chile), Anne Marie Braafheid (Curaçao), Dorothy Anstett (Estados Unidos), Leena Brusin (Finlandia), Elizabeth Cadren (França), Miranta Zafiropoulou (Grécia), Jennifer Summers (Inglaterra), Miriam Fridman (Israel), Daliborka Stojsic (Iugoslávia), Tone Knaran (Noruega), Anne Marie Hellqvist (Suécia), Apantree Prayutsenee (Tailandia) e Peggy Arenas (Venezuela).

Dorothy, Leena e Peggy em traje de gala (Fotos: O Cruzeiro)

Dorothy, Leena e Peggy em traje de gala (Fotos: O Cruzeiro)

As cinco finalistas Dorothy Anstett, dos Estados Unidos, que ficou no 5º lugar; Peggy Arenas, da Venezuela, em 4º lugar, Leena Brusin, da Finlandia em 3º lugar, Anne Marie Braafheid, de Curaçao em 2º e Martha Vasconcellos do Brasil, a nova mulher mais bonita do Universo, foi coroada pela Miss Universo de 1967, a norte-americana Sylvia Hitchcock. Também tivemos Yasuyo Iino (Japão), como Miss Simpatia; Daliborka Stojsic (Iugoslávia), como Miss Fotogenia e Luz Elena Restrepo (Colômbia), como o melhor traje típico.

Miss Curaçao, Anne Marie Braafheid, de maiô, traje de noite e maiô (Foto: O Cruzeiro)

Miss Curaçao, Anne Marie Braafheid, de maiô, traje de noite e maiô (Foto: O Cruzeiro)

Participaram do festival da beleza do Universo, 65 candidatas: Mônica Fairall (África do Sul), Lilian Atterrer (Alemanha), María del Carmen Vidal (Argentina), Sandra Croes (Aruba), Laureen Jones (Australia), Brigitte Kruger (Áustria), Brenda Fountain (Bahamas), Sonia Commen (Bélgica), Victoria Martin (Bermudas), Roxana Chávez (Bolívia), Ilse de Jong (Bonaire), Martha Vasconcellos (Brasil), Nancy Wilson (Canadá), Sheila Jayatilleke (Ceilão), Danae Monserrat Sala Sarradell (Chile), Yasmin Saif (Cingapura), Luz Elena González (Colômbia), Elizabeth Tavares (Congo), Kim Yoonjung (Coréia do Sul), Ana María Rivera (Costa Rica), Anne Marie Braafheid (Curaçao), Gitte Broge (Dinamarca).

 Bob Baker entrevistando Martha e no desfile de maiô (Fotos: O Cruzeiro)

Bob Baker entrevistando Martha e no desfile de maiô (Fotos: O Cruzeiro)

Priscila González (Equador), Helen Davidson (Escócia), Yolanda Urquijo (Espanha), Dorothy Catherine Anstett (Estados Unidos), Rosario Zaragoza (Filipinas), Leena Brusin (Finlandia), Elizabeth Cadren (França), Miranta Zafiropoulou (Grécia), Arlene Chaco (Guam), Claudie Paquin (Haiti), Nathalie Heyl (Holanda), Daliborka Stojsic (Iugoslávia), Nora Guillén (Honduras), Tammy Yan-Yan (Hong Kong), Sadie Sargeant (Ilha Virgens), Anjum Barg (India), Jennifer Summers (Inglaterra), Tiffany Scales (Irlanda), Helen Knuttsdóttir (Islandia), Miriam Fridman (Israel), Cristina Businari (Italia).

 O grito de espanto de Martha ao ser anunciada Miss Universo de 1968 (Foto: O Cruzeiro)

O grito de espanto de Martha ao ser anunciada Miss Universo de 1968 (Foto: O Cruzeiro)

Marjorie Bronfield (Jamaica), Yasuyo Iino (Japão), Sonia Faris (Líbano), Lucienne Krier (Luxemburgo), Maznah Ali (Malásia), Kathleen Farrugia (Malta), Perla Muñoz (México), Margine Morales (Nicaragua), Tone Knaran (Noruega), Christine Antunovic (Nova Zelandia), Sachie Kawamitsu (Okinawa), Judith Radford (Pais de Gales), María Brambilla (Peru), Marylene Carrasquillo (Porto Rico), Ana María Pérez (Republica Dominicana), Anne Marie Hellqvist (Suécia), Jeannette Biffiger (Suíça), Apantree Prayutsenee (Tailândia), Rekaia Dekhil (Tunísia), Zumal Aktan (Turquia), Graciela Minarrieta (Uruguai) e Peggy Arenas (Venezuela).

A atual geração não tem a menor idéia do que era um concurso de Miss. O Brasil parava para assisti-lo, ou ao vivo no Maracanãzinho ou pela televisão. Era época dourada dos concursos de misses. Anne Marie Braafheid, Miss Curaçao, quebrou um tabu e pela primeira vez uma negra chegava ao Top 5.

Compartilhe
Publicado por
Mirella Martins

Comentários
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com