Bell Marques vai mudar letra de música sob acusações de racismo e machismo

Bell Marques vai mudar letra de música sob acusações de racismo e machismo

Bell Marques vai mudar letra de música sob acusações de racismo e machismo

Publicado em Notas 14/12/2015 às 3:26
Bell Marques

Bell Marques/Foto: reprodução

Em audiência pública no Ministério Público da Bahia, nesta segunda (14), com a promotora de justiça Márcia Teixeira, os advogados do cantor baiano Bell Marques assinaram Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), garantindo que será alterada a letra da música Cabelo de Chapinha, acusada de racismo e machismo. Na letra da música, escrita por Filipe Escandurras, Fagner e Gileno, a mulher é chamada de “nega” e a ela é pedido, por seu companheiro, que vá ao salão de beleza pra fazer chapinha, como ele gosta. O refrão é assim: “Ô mainha, mas eu só gosto do cabelo de chapinha, mainha/ Ô tá liso, tá lisinho/ Tá liso, tá lisinho”.

No TAC ficou acordado que será retirada a referência à chapinha, apesar de o procedimento constar no título da música. Uma nova versão será apresentada. Os representantes também afirmaram que Bell Marques se comprometeu a fazer publicidade contra racismo e machismo e produzirá cartilhas sobre discriminação contra mulheres, além de ventarolas para serem distribuídas durante o Carnaval.

Entenda o caso:

Após o lançamento da música, no início deste mês, levantou-se uma grita nas redes sociais. À imprensa baiana, a antropóloga Naira Gomes, idealizadora do movimento Empoderamento Negro, fez a seguinte análise: “A música atinge duplamente a mulher, em especial a mulher negra. Fala de um homem que espera adequação da imagem da sua parceira ao gosto dele. E tem abordagem racista, quando ratifica as opressões que os corpos negros vêm sofrendo. É a imposição de um padrão estético que não nos contempla”.

Bell Marques, ao saber da rejeição à música, escreveu texto na sua página no Facebook, defendendo-se. Eis alguns trechos: “A minha história mostra que jamais desrespeitei o meu publico através do meu trabalho. (…) É uma canção na qual o compositor se inspirou em um personagem que adora sua parceira e lhe pede, com carinho, que se arrume do jeito que ele gosta. Muito boa essa forma gentil que o compositor encontrou para enaltecer sua amada e que deveríamos aplaudir, pois essa é a mensagem da música: gentileza e amor. (…) Peço desculpas, em nome dos compositores, para aqueles que não conseguiram compreender a sua intenção. Mas, tenho certeza de que agora ficará tudo mais claro, pois, pra se falar de amor não precisa dizer ‘Eu te amo’. Cada um se expressa como sabe”.

A socióloga Vilma Reis, ouvidora-geral da Defensoria Pública da Bahia, combateu: “Muitas mulheres vivem situações extremas de violência, porque as coisas foram tratadas como brincadeiras. Uma sociedade que opina na estética vai querer exercer controle social sobre o corpo dessa mulher”.

Confira a letra da música:

“Minha nega, vai lá no salão faz aquele corte que seu nego gosta de te ver
Me trás seu coração, porque essa noite só vai dar eu e você

Com esse amor ninguém pode
Só água na cabeça
Pra apagar o fogo
Ô mainha, mas eu só gosto do cabelo de chapinha, mainha

Ô tá liso, tá lisinho. Tá liso, tá lisinho
Tá liso, tá lisinho. Tá liso, tá lisinho
Ô mainha, mas eu só gosto do cabelo de chapinha, mainha
Ô tá liso, tá lisinho. Tá liso, tá lisinho
Tá liso, tá lisinho. Tá liso, tá lisinho”

Leia também:
Campanha reflete sobre a resistência ao cabelo encrespado
Curta “Kbela”, sobre a relação da mulher negra com seu cabelo, será exibido dia 16 no Cinema São Luiz

Compartilhe
Publicado por
Romero Rafael

Comentários
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com