Expo coletiva Valsas marca 15 anos da Amparo 60

Publicado em Notas 25/05/2014 às 6:10
Expo coletiva Valsas marca 15 anos da Amparo 60

Curadoria se inspirou na “ambientação” do universo da arquitetura de interiores. Foto: Divulgação

O encerramento das comemorações dos 15 anos da galeria Amparo 60 será com a exposição coletiva Valsas, que terá vernissage no dia 7 de junho e abre para o público em geral a partir do dia 10 de junho. A mostra entrelaça fatos do passado híbrido da galeria como loja de antiguidades e arte popular, fábrica de móveis e galeria de arte contemporânea. Segundo a curadora Ana Maria Maia, essa mistura de atividades define a vocação e estratégias utilizadas para adensar a cena artística da cidade, além de definir a própria história da Amparo 60.

Curadoria se inspirou na “ambientação” do universo da arquitetura de interiores. Foto: Divulgação

Curadoria se inspirou na “ambientação” do universo da arquitetura de interiores. Foto: Divulgação

A mostra reunirá mobiliário, obras de arte popular e contemporânea, de artistas do casting ou que já passaram pela Galeria Amparo 60. A galeria vai receber peças garimpadas pela curadora, imagens que remetem ao seu passado na casa de número 60 da rua do Amparo, em Olinda, móveis e obras que compõem o acervo da galerista Lúcia Costa Santos que, de alguma forma, se relacionam com a galeria, a exemplo de uma tela de Roberto Burle Marx. Entre as obras selecionadas está Porta, de Eudes Mota, cuja exposição, em 1998, marcou o surgimento “oficial” da galeria. Haverá ainda uma mostra de filmes, com a participação tanto de cineastas como de artistas plásticos.

A curadoria se inspirou na “ambientação” do universo da arquitetura de interiores. “Na ambientação, o olhar depurado para selecionar toda sorte de artefatos e a habilidade de combiná-los entre si são os meios para se criar espaços funcionais, de habitat e convívio. Na coletiva, esses procedimentos resultam em uma quebra do padrão expográfico, apoiado na contaminação entre linguagens. A decoração abraça a arte, tornando-a de algum modo familiar; a arte, por sua vez, é capaz de desmontar as premissas de qualquer intento estetizador”, detalha Ana Maria Maia.

Obras que estarão expostas compõem o acervo da galerista Lúcia Costa Santos. Foto: Divulgação

Obras que estarão expostas compõem o acervo da galerista Lúcia Costa Santos. Foto: Divulgação

Um dos pontos altos da exibição será a abertura do jardim da galeria a partir do projeto de reforma proposto pelos artistas Fernando Peres e Isabela Stampanoni. Eles farão uma reabertura desse espaço, o qual funcionará por si só como uma obra, que permanecerá depois da mostra, deixando uma memória arquitetônica do processo de trabalho.

Compartilhe
Publicado por

Comentários
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com