publicidade
05/06/20
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Facebook começa a etiquetar publicações de mídia controlada por governos

05 / jun
Publicado por Manuela Figueredo em Aplicativos às 7:34

AFP

O Facebook começou nesta quinta-feira (4) a etiquetar meios de comunicação que tenham ligações editoriais que possam estar sob a influência de governos, e disse que os anúncios dessas empresas seriam bloqueados até o final deste ano.  A rede social está seguindo um plano anunciado anteriormente para etiquetar a mídia controlada pelo Estado, segundo o chefe da política de segurança cibernética do Facebook, Nathaniel Gleicher.

Sala coloca o Facebook na briga pelas videoconferências, onde reinam Zoom e Meet

“Acreditamos que as pessoas devam saber se as notícias que leem são provenientes de uma publicação que pode estar sob a influência de um governo”, anunciou Gleicher em uma publicação. Segundo Gleicher, o Facebook começará ainda este ano a adicionar rótulos semelhantes a esses anúncios midiáticos, bloqueando-os por completo com vistas às eleições presidenciais americana de novembro “para fornecer uma camada extra de proteção contra vários tipos de influência estrangeira no debate público”.

Facebook lança ferramenta ‘Shops’ para ajudar comércios durante pandemia do coronavírus

Para o Facebook, a definição de mídia controlada pelo Estado inclui a influência sobre o conteúdo editorial e o apoio financeiro aos veículos, explicou.  As ‘tags’ aparecerão nas páginas da rede social em todo o mundo e nas seções de publicidade.  Nos Estados Unidos, as ‘tags’ também aparecem nas postagens do “Novo Feed” e na apresentação da rede social.

Foto: Reprodução

“Se determinarmos que existem proteções suficientes para garantir independência editorial, o rótulo não será aplicado”, ressaltou o executivo. O Facebook informou ter consultado “mais de 65 especialistas mundiais especializados em mídia, governança e direitos humanos e desenvolvimento” para estabelecer suas políticas.

A medida veio em meio à histórica acusação sobre a interferência estrangeira nas eleições de 2016 nos EUA e ao acalorado debate sobre como essa rede social lida com desinformação e postagens consideradas incendiárias, incluindo as do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. O Facebook também está em processo para estabelecer um “tribunal supremo” ou conselho fiscal que faça determinações sobre remoção de conteúdo.


FECHAR