publicidade
30/10/18
(Imagem/ Divulgação)
(Imagem/ Divulgação)

Funcionários do Google organizam protesto contra assédio sexual na empresa

30 / out
Publicado por Estadão Conteúdo em Notícias às 17:18

Mais de 200 funcionários do Google estão planejando um protesto para esta quinta-feira, 1º, em resposta à má conduta da empresa com casos de assédio sexual, revelada por uma reportagem do jornal The New York Times na semana passada. A notícia é do site Buzzfeed News.

Os funcionários se reuniram em um fórum interno no fim de semana, em que demonstraram seu descontentamento com as posturas da empresa e tiveram a ideia de organizar um protesto.

A reportagem que deixou os funcionários revoltados revelou que o Google foi conivente com casos de assédio sexual: quando o criador do Android, Andy Rubin, deixou a empresa em 2014 após ser acusado de assédio sexual por uma funcionária, o Google lhe pagou US$ 90 milhões na rescisão. Tudo isso depois que uma investigação da empresa concluiu que as acusações contra Rubin eram verdadeiras.

Além disso, o The New York Times informou sobre dois outros executivos que o Google protegeu durante a década passada de acusações de assédio sexual.

Nestes dois casos, a empresa realizou demissões, mas também pagou milhões de dólares sem nenhuma obrigação legal. Em todas às vezes, o Google se manteve em silêncio sobre as acusações.

Após a reportagem do The New York Times, Sundar Pichai, presidente executivo da empresa, declarou que o Google demitiu 48 pessoas por assédio sexual nos últimos dois anos.

Leia Mais
Falha no Google+ expôs dados de meio milhão de contas
Google é processado por localizar usuários sem autorização


FECHAR