22
mar

A história do Engenho Morim de São José da Coroa Grande

22 / mar
Publicado por Leonardo Vasconcelos às 9:04

Foto: Divulgação / Prefeitura de São José da Coroa Grande

As jóias da grande coroa de São José não estão apenas no litoral. É na zona rural do município, distante seis quilômetros da PE-60, que se encontra uma preciosidade repleta de beleza e muita história. O Engenho Morim, que tem 1129 hectares dos quais mais de 200 são de mata atlântica preservada, foi fundado no século XVIII pela baronesa de Gindahy e já teve como proprietários importantes autoridades do Brasil, tendo sido inclusive citado em uma das mais importantes obras da literatura brasileira.

 

Leia mais:

O resgate das belezas de São José da Coroa Grande

O desafio e a beleza do rapel na Pedra Grande

O mágico Vale do Catimbau

A calmaria e a beleza da Ilha de Santo Aleixo em Sirinhaém

A beleza escondida de Serra Negra em Bezerros

 

 

 

Além da relevância histórica, a propriedade chama a atenção pelas belas construções que foram restauradas mantendo os traços originais da época. Lá os visitantes podem admirar a casa grande imponente e outras edificações como a casa de farinha e estábulo, além de ruínas da antiga capela. A arquitetura e a paisagem fazem com que as pessoas se sintam transportadas para os tempos do ciclo do açúcar no Brasil.

 

 

Entre os ilustres donos do engenho está Estácio de Albuquerque Coimbra que o adquiriu no dia 17 de março de 1900. Ele nasceu no município vizinho de Barreiros, onde chegou a ser prefeito, e teve uma longa carreira política tendo sido deputado federal, presidente da Assembléia Legislativa do Estado, Governador de Pernambuco e até vice-presidente da República. Um de seus amigos era ninguém menos que Gilberto Freire que em sua obra prima Casa Grande & Senzala chegou a citar fatos ocorridos no engenho.

 

 

O passado da Fazenda Morim encanta tanto quanto o presente visto que os atuais proprietários promoveram a recuperação das instalações físicas das antigas construções e estudam promover o ecoturismo no local. Atualmente no local é desenvolvida a criação de bois e búfalos. A natureza do engenho é exuberante. Ele é cortado por um rio, conta com mais de 20 nascentes de água, e diversas espécies importantes da fauna e flora brasileira, de acordo com levantamento feito por biólogos do Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (Cepan).

 

 

REDES SOCIAIS:

 

 

*Acompanhe o @blogmochileo também pelo Instagram, Twitter, Facebook e Youtube.


Veja também