publicidade
11/05/21

Privatização de parques? Por Priscila Krause

11 / maio
Publicado por jamildo em Notícias às 13:47

Por Priscila Krause, em artigo exclsuivo para o blog

A proposta da Prefeitura do Recife de incluir espaços públicos de uso intensivo, como parques e praças, num programa de parcerias público-privadas (PPP) pode ser vista como um avanço conceitual dos socialistas, na direção da boa prática liberal. Afinal de contas, imagine-se a celeuma se tal possibilidade viesse postulada por um governo classificado como de centro-direita em Pernambuco – haveria barricadas de protestos na Praça de Casa Forte, contra a mera menção da gestão privada!

O avanço deve ser registrado. E não se trata apenas de reconhecimento da incapacidade gerencial para efetuar a manutenção dos equipamentos públicos utilizados pela população. A esse reconhecimento deve-se juntar a evidência de uma nítida priorização da administração pelos espaços de lazer, em detrimento de outros, como a habitação, os canais e as ruas da cidade. Mais uma vez, caso tal nível de prioridade acometesse um governo liberal, o escândalo seria posto com ares de grave denúncia. Mas quando a gestão “socialista” prefere investir mais de R$ 40 milhões num parque à beira do rio, para uma fatia de classe média alta da capital – ou do capital – recifense, nem a destruição ambiental é problema. Estou falando, sim, do Parque dos Graças. E vale dizer que o montante de recursos é alto, se comparado ao que a Prefeitura afirma aplicar na limpeza dos canais, anualmente, por exemplo. E os canais vivem sujos.

A privatização dos parques e praças chega em boa hora, para dar conta dessa inversão de prioridades. E liberar os planejadores e o orçamento para problemas um pouco mais reais, como a vergonhosa persistência das palafitas e dos moradores de rua no Recife. É com a população carente e com as comunidades vulneráveis que a Prefeitura tem que se preocupar. Com a educação de crianças e jovens. Com a segurança do cidadão recifense, que não pode sair de casa sem medo. Com a limpeza urbana deficiente nos bairros pobres, e a falta de saneamento que joga a qualidade de vida para baixo. E muitos outros problemas.

A parceria com a iniciativa privada é interessante, e o prefeito João Campos merece aplauso pela iniciativa. Cabe à oposição, agora, cobrar para que não se leve oito anos para tirarem o programa do papel. E acompanhar de perto o processo de transferência de responsabilidades e recursos financeiros com esse propósito. Mas o melhor será ver não somente a privatização da gestão dos espaços públicos funcionar – o que os recifenses desejam, mesmo, é que sirva para desinverter a prioridade do governo, voltando a gestão para a direção correta das demandas coletivas da maioria.

Priscila Krause é deputada estadual (DEM)


FECHAR