publicidade
15/04/21
Foto: Divulgação/Polícia Civil de Pernambuco
Foto: Divulgação/Polícia Civil de Pernambuco

Polícia Civil investiga supostas fraudes em licitação em três cidades do interior de Pernambuco

15 / abr
Publicado por José Matheus Santos em Notícias às 12:54

A Polícia Civil de Pernambuco deflagrou, na manhã desta quinta-feira (15), a Operação Rit Stop para desarticular uma suposta organização criminosa suspeita de praticar fraude em licitação de materiais gráficos e lavagem de dinheiro.

Foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão domiciliar, sequestro de valores e proibição da pessoa jurídica de participar de licitações. As determinações foram expedidas pela Vara Única da Comarca de Nazaré da Mata. As ações foram realizadas no Recife.

LEIA TAMBÉM:
> Por unanimidade, Turma do STJ nega habeas corpus ao empresário Aldo Guedes
> Arco Metropolitano. Estado desmente fórum de Aldeia e diz que estuda traçado alternativo
> Camaragibe prorroga prazo de inscrições para seleção com 51 vagas de emprego

A operação “Rip Stop 2” é derivada de uma ação deflagrada em junho de 2020, para apurar o mesmo tipo de crime em Petrolina, no Sertão. As licitações são de compra de material gráfico. Na primeira fase, foram apontadas, pelo Tribunal de Contas, 131 licitações, envolvendo mais de R$ 132 milhões. Três contratos estão sendo analisados na segunda fase.

Na primeira fase, a empresa investigada seria de fachada e suspeita de fraudar licitações. “Grande parte das licitações em que se tem suspeita de fraudes ele colocava apenas empresas dele, vinculadas a ele ou a familiares. Fazia uma falsa concorrência, onde só empresas dele concorriam”, disse o delegado Diego Pinheiro, titular da 2ª Delegacia de Combate à Corrupção (Deccor), do Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Draco).

Segundo a corporação, são investigadas fraudes ocorridas em licitações nas Prefeituras de Nazaré da Mata, Vicência e Timbaúba, nos anos de 2015 e 2016, que teriam causado um prejuízo em torno de R$ 265.000,00, bem como se houve a participação de servidores e ex-servidores dessas Prefeituras nas fraudes.

Segundo as investigações, “algumas empresas ligadas a um mesmo grupo econômico e familiar concorriam entre si, fraudando, desse modo, as licitações, pois, frustravam o caráter competitivo das mesmas, impedindo a seleção de uma proposta mais vantajosa para a administração pública”.

LEIA TAMBÉM:
> Governo de Pernambuco cria medidas para tentar acabar com contaminação de covid-19 nos terminais de passageiros e ônibus
> João Campos sanciona desconto de 10% para quem quitar IPTU 2021 e taxa de coleta de lixo em parcela única no Recife

“Foi verificado que várias das empresas ligadas ao referido grupo econômico e familiar eram de fachada, tendo em seus quadros societários laranjas do líder da organização criminosa, e que essas pessoas jurídicas e físicas também eram utilizadas para lavar o dinheiro angariado com as fraudes nas licitações”, diz a Polícia Civil.

A operação é vinculada à Diretoria Integrada Especializada (DIRESP) e liderada pela 2ª Delegacia de Combate à Corrupção, integrante do Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (DRACCO).

“Nosso objetivo é o de colher provas para vincular essas empresas que possivelmente são de fachada e os sócios são laranjas do empresário alvo da Rip Stop 1”, afirmou o delegado Diego Pinheiro.

As investigações foram assessoradas pela Diretoria de Inteligência da Polícia Civil de Pernambuco (DINTEL), com a participação também do laboratório de Lavagem de Dinheiro (LAB/DINTEL).

15 policiais civis participam da execução dos mandados, entre delegados, agentes e escrivães.

Os nomes dos investigados não foram divulgados.

Outro lado

A reportagem tenta contato com as prefeituras de Nazaré da Mata, de Timbaúba e de Vicência.


FECHAR