publicidade
15/04/21
Foto: Clemilson Campos/Acervo JC Imagem
Foto: Clemilson Campos/Acervo JC Imagem

Após alertar sobre possível ‘golpe’ no Brasil, desembargador do TJPE comunica que deixará Facebook

15 / abr
Publicado por jamildo em Notícias às 13:44

O desembargador Bartolomeu Bueno, do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco (TJPE), comunicou na rede social que está deixando o Facebook.

Desembargador do TJPE diz que grupos estão se articulando para ‘golpear o Estado Democrático e Social de Direito do Brasil’

A decisão ocorre após viralizar uma matéria no Blog, em primeira mão, reproduzindo uma postagem do desembargador sobre um possível “golpe de estado” no Brasil. Veja abaixo o post original e, acima, o mais recente.

Leia também

Servidores do Judiciário vão protestar nesta quarta-feira no TJPE e querem auxílio para suprir custos com trabalho remoto na pandemia

Comissão da OAB diz que Bolsonaro cometeu crime contra a humanidade na pandemia

Dom Odilo Scherer: ‘Enxergo o risco de uma virada política para uma ditadura’

A guerra das CPIs e o governo Bolsonaro

Senador diz já ter assinaturas para incluir estados e municípios em CPI da pandemia

‘Bolsonaro seria herói se centralizasse ações para combater a pandemia’, diz Michel Temer

67,5% dos brasileiros considera insuficiente a gestão do Governo Federal no combate à pandemia

Rodrigo Maia: ‘Bolsonaro pode ficar inelegível’, afirma

Flávio Bolsonaro vai representar contra Kajuru no Conselho de Ética por divulgar áudio com presidente sobre CPI da Pandemia

Religiosos fazem Marcha da Família Cristã por liberdade após decisão do STF

STF dá aval a Barroso e confirma por maioria instalação de CPI da Pandemia

Grupo nacional carioca abre escola no Recife, em novembro

LEIA O PUBLICADO NO JC ON LINE EM 13/04:

Em uma rede social, o desembargador Bartolomeu Bueno de Freitas Morais, do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), disse, nessa terça-feira (13), para os brasileiros se prepararem, pois “todos os que têm o poder das armas estão se articulando para golpear o Estado Democrático e Social de Direito do Brasil”, além de “rasgar a Constituição em vigor”.

O magistrado afirma, ainda, que há uma briga interna para saber “qual o grupo que vai comandar, tomar o poder e implantar a ditadura”. Na avaliação do desembargador do TJPE, essa possível nova ditadura será pior do que a que teve início em 1964.

“Dessa vez não pode ser pacífico, como todos os que ocorreram no Brasil. Estejamos preparados”, finaliza a publicação.

Questionado sobre o porquê de ter feito tal afirmação, o desembargador disse, durante entrevista ao programa Balanço de Notícias, da Rádio Jornal, que acredita num golpe devido às últimas declarações e ações feitas, por exemplo, pelo presidente da República. “

“Isso, na verdade, é um sentimento meu. Mas é um sentimento tirado, ou trazido, apurado, de várias ações que a gente está vendo ocorrer neste País. Diversos setores vêm, o tempo todo, tentando solapar as instituições democráticas. O próprio presidente da República vem, o tempo todo, atacando o Supremo Tribunal Federal”, afirmou.

Morais pontuou, ainda, que apoiadores do chefe do Executivo Nacional vêm defendendo o Ato Institucional nº 5 (AI-5), decretado em 13 de dezembro de 1968, que marcou o período de censura e repressão.

“Seguidores do presidente vêm atacando essas instituições, defendendo o ato institucional número 5, a volta daquele instrumento normativo terrível, que foi gerado na ditadura de 64. Então, nós estamos acompanhando isso, e nós vemos, de vez em quando, generais de pijama, que são usados, na verdade, para dar recados dos militares da ativa, dizendo que pode haver isso, pode haver aquilo”, declarou.

O magistrado fez questão de deixar claro durante a entrevista que não é apoiador do PT, mas acredita, sim, que um golpe pode estar sendo planejado.

“Eu não sou defensor de Lula, nunca votei nele, não tenho partido, mas isso ocorreu quando o general Villas Bôas, que era o comandante ameaçou diretamente o STF, em pleno 7 de setembro, dizendo que se Lula fosse solto poderia haver algum desconforto, alguma coisa. Então, a gente tem sentido isso. Todo dia uma ameaça ao Estado Democrático Social de Direito. E nós como cidadãos, nós que defendemos a Constituição, nós temos que estar preparados”, comentou.


FECHAR