publicidade
14/04/21
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem

Comissão da OAB diz que Bolsonaro cometeu crime contra a humanidade na pandemia

14 / abr
Publicado por José Matheus Santos em Notícias às 9:21

Um parecer da comissão de juristas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) afirma que o presidente Jair Bolsonaro cometeu crime de responsabilidade no combate à pandemia de covid-19.

O documento foi entregue nesta terça-feira (13) ao presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, e será encaminhado para discussão no Conselho Pleno da OAB Nacional e no Colégio de Presidentes das Seccionais da Ordem.

O parecer identifica seguintes infrações em tese praticadas por Bolsonaro: “I) no plano nacional, A) delitos de homicídio e lesão corporal por omissão imprópria (comissão por omissão); B) crimes de responsabilidade; II) no plano internacional, crime contra a humanidade (art. 7º do Estatuto de Roma)”.

O documento diz que o Poder Executivo é exercido pelo presidente, auxiliado pelos ministros de Estado, e, em relação à saúde pública, “o que se pôde verificar ao longo de toda a grave crise pandêmica que assolou o país foi exatamente o oposto. Constatou-se, a mais não poder, a sistemática e deliberada violação por parte de ambos do seu elevado munus de implementação ad tempus de políticas sociais e econômicas capazes de reduzir os progressivos riscos do coronavírus”.

De acordo com os juristas, as omissões e ações do presidente ao longo da pandemia representam um ataque a um dos pilares da Constituição, que é o direito à saúde e à vida. O documento relata que o presidente “tentou sistematicamente impedir que medidas adequadas ao combate da Covid-19 fossem tomadas. Há vários exemplos de tentativa de interrupção de cursos causais salvadores empreendidos por outras autoridades”.

A OAB Nacional instalou uma Comissão de Juristas para Análise e Sugestões de Medidas de Enfrentamento da Pandemia do Coronavírus, para subsidiar o Conselho Federal da OAB em questões jurídicas relativas à pandemia. O colegiado é presidido pelo ministro aposentado do STF, Carlos Ayres Britto, e composto por Miguel Reale Jr., Carlos Roberto Siqueira Castro, Cléa Carpi, Nabor Bulhões, Antônio Carlos de Almeida Castro (Kakay), Geraldo Prado, Marta Saad, José Carlos Porciúncula e Alexandre Freire.


FECHAR