publicidade
06/04/21

O que é genocídio? Por José Maria Nóbrega

06 / abr
Publicado por jamildo em Notícias às 18:00

Por José Maria Nóbrega – cientista político, em artigo enviado ao blog

A etimologia da palavra ‘genocídio’ vem da derivação da junção de geno-, do grego “genus”, que significa raça, e do sufixo -cídio, do latim “caedere”, com sentido de matar.

No Dicionário da Língua Portuguesa ‘Aurélio’, genocídio é definido como o “extermínio proposital que aniquila, mata uma comunidade, um grupo étnico ou religioso, uma cultura ou civilização”.

Segundo Bobbio, Matteucci e Pasquino (1998, Dicionário de Política. (Orgs.) Norberto Bobbio, Nicola Matteucci e Gianfranco Pasquino. Ed. UNB. Brasília.), o termo foi usado pela primeira vez em 1944 por R. Lemkin (Axis rule in occupied Europe. Washington 1944; Id., Genocide: a new international crime, purishment and prevention, in “Revue Inter. de Droit Pénal”, 1946) para indicar a destruição em massa de um grupo étnico, assim como projeto sistemático que tenha por objetivo eliminar um ou vários aspectos fundamentais da cultura de um povo.

Dessa forma, o genocídio é prática constante na história humana. No entanto, somente após os extremos da Segunda Guerra Mundial a comunidade internacional, horrorizada pelas barbaridades cometidas pela política eugenista racista do nazismo, sentiu a necessidade de criar e fixar normas de direito internacional para coagir esse crime.

Como se vê, o termo é muito complexo e vem sendo usado de forma incorreta por muitos movimentos sociais e por grande parte da militância ‘progressista’ brasileira.

O emprego incorreto desse termo é um desrespeito aos verdadeiros massacres pelos quais passaram alguns povos e grupos étnicos, a exemplo dos judeus na catástrofe que foi a política de Hitler contra o seu povo.

Continuando, depois do massacre nazista na Segunda Grande Guerra, nasceu uma nova figura de delito relevante na esfera do direito penal internacional, pertencente à categoria dos crimes contra a humanidade.

A assembleia da ONU, numa resolução de 11 de dezembro de 1946, declarou o genocídio – definido como recusa do direito à existência de grupos humanos inteiros – um “delito do direito dos povos, um contraste com o espírito e os objetivos das Nações Unidas, delito que o mundo civil condena”, determinando a elaboração de um projeto de pacto sobre o assunto.

Nesse Pacto ou Convenção, em seu artigo 2º., a definição do genocídio seguiu dessa forma: “por genocídio entende-se qualquer um dos seguintes atos cometidos com a intenção de destruir no seu todo, ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso, enquanto tal:

a. Extermínio de membros do grupo.
b. Atentado grave contra a integridade física ou mental dos membros do grupo;
c. Submissão intencional do grupo a condições de existência tendentes a provocar sua destruição física, total ou parcial.
d. Medidas tendentes a impedir os nascimentos no âmbito do grupo.
e. Transferência forçada de crianças de um grupo para outro grupo”.

Como se vê, o genocídio de uma raça, etnia, grupo religioso etc. é muito sério e alguém quando acusado incorretamente de ser um “genocida” pode incorrer em processo de injúria e difamação, pois o termo denota um crime mais grave que o homicídio (matar alguém, artigo 121 do Código Penal brasileiro).

Portanto, antes de incriminar um indivíduo de genocida, estude com atenção o conceito para não sofrer processo na justiça.

Às vezes, ela funciona.


FECHAR