publicidade
12/01/21
Indústrias impulsionadas pela pandemia contrataram num ano de crise para muitos setores Foto: Investnews/Reprodução da internet
Indústrias impulsionadas pela pandemia contrataram num ano de crise para muitos setores Foto: Investnews/Reprodução da internet

Alimentadores de linha de produção e técnicos de enfermagem lideram saldo positivo no emprego em Pernambuco

12 / jan
Publicado por jamildo em Notícias às 21:55

As profissões de alimentador de linha de produção e técnico de enfermagem tiveram o maior saldo entre admissões e demissões em Pernambuco entre janeiro e novembro de 2020, refletindo dois aspectos importantes da conjuntura local no contexto da pandemia da covid-19.

No caso da mão de obra de chão de fábrica, os números positivos estão relacionados à performance da indústria pernambucana, que, em plena crise sanitária, teve o maior crescimento do Brasil (2,4%) no acumulado de janeiro a outubro.

Isso se deve à diversificação da base industrial de Pernambuco, ao papel regional da indústria local e à alta de demanda em segmentos beneficiados pela pandemia.

Já no segmento de técnicos de enfermagem, é notório o impacto do coronavírus na cadeia da saúde.

Os dados são do Observatório do Emprego, estudo mensal produzido pela Lumi Consult (Recife) e Insight Soluções (Brasília) a partir da Plataforma de Inteligência Setorial – ferramenta de business inteligence (BI).

A pesquisa utiliza os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho. Essa edição da análise tomou como base as informações mais recentes do Governo.

O estudo mostra que os alimentadores de linha de produção ficaram no topo do ranking, com um saldo positivo de 3.263 vagas. Foram 11.928 admissões, contra 8.665 demissões na categoria.

Na geração de empregos em números absolutos, o segmento ficou numa posição bem mais modesta: 5º lugar.

“Mas quando a geração de postos de trabalho é comparada aos desligamentos, fica evidente que o segmento registrou uma demanda sustentada, ao contrário de profissões que, mesmo com um número elevado de contratações, computaram saldo negativo devido ao volume de rescisões superior às admissões”, explica o sócio da Lumi Consult Alberto Borges.

Indústrias alavancadas pela crise geraram emprego

Entre os setores que mais contribuíram para o resultado na área de alimentadores, estão os de material plástico (9,3% de crescimento na produção industrial local de janeiro a outubro, refletindo o aumento no consumo de itens de higiene e limpeza decorrente da pandemia), higiene e beleza (7,4%), bebidas (4,2%), produtos de metal (3%) e produtos têxteis (2,7%).

Numa visão mais abrangente, os alimentadores foram beneficiados pelo fortalecimento e diversificação da indústria local, resultado de políticas públicas de atração de investimento que vêm sendo mantidas desde os anos 2000 e que estruturaram clusters que atendem ao Nordeste em áreas como alimentos/bebidas, higiene /limpeza e embalagens.

Essa estratégia contribuiu para amenizar os impactos da pandemia na indústria pernambucana e teve reflexos positivos no emprego, num ano de crise e desemprego em muitos setores.

Covid-19: hospitais lotados, técnicos de enfermagem em alta

Os técnicos de enfermagem ficaram logo abaixo dos alimentadores no saldo de empregos.

A categoria, que registrou 7.284 contratações no período, contra pouco mais de 4 mil demissões, contabilizou um resultado positivo na casa de 3 mil postos. Esses números refletem claramente os impactos da covid-19 no setor de saúde.

A ampliação dos serviços médicos – com a expansão de UTIs e abertura de hospitais de campanha – para atender à explosão na demanda criou milhares de oportunidades para esses profissionais.

“Nesse segmento, verificamos algo semelhante ao que aconteceu no chão de fábrica. Em números absolutos, os técnicos de enfermagem ficaram em 8º lugar na geração de emprego, abaixo de categorias que tradicionalmente lideram esse ranking, como os trabalhadores da base da indústria sucroenergética e os vendedores do comércio varejista”, disse Alberto Borges.

“Mas, quando se observam as demissões e o saldo, fica evidente que os técnicos de enfermagem foram beneficiados em meio às oscilações do mercado de trabalho num ano atípico, em que a saúde se viu diante de um cenário de guerra e precisou ampliar a infraestrutura e o quadro de profissionais”, detalha.

Ele destaca que a categoria se manteve demandada mesmo após as desmobilizações dos hospitais de campanha, o que se deve à continuidade da pandemia, que registrou nova alta no número de casos a partir do final do segundo semestre do ano.

Outras categorias que contabilizaram saldo positivo no número de vagas no período foram servente de obras, auxiliar de logística, enfermeiro e médico clínico.

Essas profissões tiveram um resultado positivo na casa de 1 mil vagas, no balanço de contratações e desligamentos.


FECHAR