publicidade
11/01/21
Lula, Paulo Câmara, Ana Luiza Câmara, João Campos e Renata Campos em reunião em 2017. Foto: Ricardo Stuckert / Instituto Lula
Lula, Paulo Câmara, Ana Luiza Câmara, João Campos e Renata Campos em reunião em 2017. Foto: Ricardo Stuckert / Instituto Lula

Em abaixo-assinado, grupo do PT pede entrega imediata de cargos no Governo de Pernambuco e abertura de processos disciplinares

11 / jan
Publicado por José Matheus Santos em Notícias às 11:52

Um abaixo-assinado de militantes filiados ao PT de Pernambuco pede que o partido entregue imediatamente os cargos que ocupa no Governo de Pernambuco e a abertura de processos disciplinares contra integrantes da legenda que teriam praticado infidelidade nas eleições de 2020.

O movimento ocorre desde dezembro e segue em janeiro com mais de 300 assinaturas de filiados do PT local. O destinatário do abaixo-assinado é o Diretório do Partido dos Trabalhadores.

No texto de apresentação da coleta de assinaturas, os petistas críticos à aliança com o PSB de Pernambuco dizem que concordam com nota da Secretaria da Juventude do PT, que, em 16 de dezembro, pediu o rompimento com os pessebistas no plano estadual.

LEIA TAMBÉM:
> PP e PDT miram comando da Secretaria de Desenvolvimento Agrário de Pernambuco, chefiada pelo PT
> João Campos cumpre promessa de não ter nomes do PT na gestão
> Teresa Leitão defende que PT seja oposição a Paulo Câmara: ‘PSB cospe no prato que comeu’
> Briga entre PSB e PT no Recife vai parar na tribuna da Câmara dos Deputados. ‘Nossa vitória foi limpa’, diz Carreras
> ‘Basta! A militância do PT exige respeito’, diz juventude do partido
> Aliados de Marília Arraes pedem expulsão de Oscar Barreto do PT

“Nós, abaixo-assinado, militantes filiados ao Partido dos Trabalhadores, temos plena concordância com os termos da nota emitida pela Secretaria da Juventude do PT e vimos solicitar da Direção Estadual que todas as providências sejam tomadas para encaminhamento das seguintes questões: 1. Entrega imediata dos cargos comissionados ocupados nas gestões do PSB, estadual e municipal do Recife; 2. Abertura de processos disciplinares contra filiados e filiadas que praticaram infidelidade partidária nas eleições municipais do Recife, sobre os quais existe amplo material comprobatório”, diz o abaixo-assinado criado em 17 de dezembro e com 318 assinaturas.

A autoria é da militante petista Raísa Rabelo.

A coleta de assinaturas começou semanas depois do segundo turno da disputa pela Prefeitura do Recife, em que Marília Arraes (PT) foi derrotada por João Campos (PSB) com ataques do candidato pessebista ao PT.

> ‘O PT seria bem-vindo na bancada’, diz líder da oposição na Assembleia Legislativa

Doriel Barros (Foto: Divulgação)

O diretório do PT de Pernambuco, que é presidido pelo deputado estadual Doriel Barros, se reuniu pelo menos duas vezes em dezembro, mas não houve deliberação sobre a aliança com o PSB.

A ala petista crítica ao PSB avalia, nos bastidores, que Doriel e outros petistas aliados do PSB estão “adiando como podem” o debate. Procurado pela reportagem ainda em dezembro, o presidente do PT de Pernambuco negou e disse que segue trâmites internos do PT.

Além disso, está em curso na direção nacional do PT um pedido de expulsão de Oscar Barreto. Ele é acusado de infidelidade partidária por ter feito críticas à candidata Marília Arraes durante a campanha eleitoral pela prefeitura do Recife.

> Parlamentares de PT e PSOL repudiam demissão de Áureo Cisneiros e criticam Governo de Pernambuco: ‘arbitrariedade’, ‘perseguição’

PT e PSB

O atual secretário de Desenvolvimento Agrário de Pernambuco é Dilson Peixoto, do PT, por indicação da ala próxima ao senador Humberto Costa.

Os petistas devem se reunir neste mês de janeiro para avaliar a manutenção ou o rompimento com o PSB após a campanha acirrada em ataques entre os dois partidos na disputa do segundo turno pela prefeitura do Recife entre João Campos e Marília Arraes.

Setores petistas críticos ao PT acusam o presidente estadual da legenda, deputado estadual Doriel Barros, de estar “postergando” a decisão para “empurrar com a barriga” a aliança com o PSB no âmbito do governo Paulo Câmara.

Doriel Barros, em dezembro de 2020, reiterou que a demora para a definição se trata de trâmites internos do partido e negou que esteja evitando o debate da aliança no Diretório Estadual do PT.

> ‘Estou envergonhada’, diz Teresa Leitão sobre PT não romper com Paulo Câmara após disputa contra o PSB no Recife

Marília Arraes e João Campos, candidatos ao segundo turno nas eleições 2020 no Recife
Marília Arraes e João Campos, candidatos ao segundo turno nas eleições 2020 no Recife

Entenda

Em Pernambuco, o PT é aliado ao governador Paulo Câmara (PSB), apesar de divergências internas na sigla após o segundo turno da eleição para a prefeitura do Recife.

Na capital pernambucana, a legenda petista acabou derrotada com Marília Arraes pela candidatura de João Campos (PSB). O prefeito eleito tem repetido em entrevistas que, em seu governo, “não haverá indicações políticas do PT”.

Na cidade, o PT elegeu três vereadores: Liana Cirne, Jairo Britto e Osmar Ricardo. Este último é próximo ao PSB, enquanto os outros dois são de oposição.

O PT ocupou cargos na gestão do ex-prefeito Geraldo Julio no Recife. Até outubro, o partido comandou a Secretaria de Saneamento do Recife com Oscar Barreto (PT), também da ala petista que defendia aliança com o PSB nas eleições municipais.

No âmbito estadual, o PT comanda a Secretaria de Desenvolvimento Agrário de Pernambuco com Dilson Peixoto e tem cargos nos segundos e terceiro escalão da gestão estadual. O partido participou da coligação de 2018 em que Paulo Câmara (PSB) foi reeleito governador e Humberto Costa foi um dos senadores eleitos, junto com Jarbas Vasconcelos (MDB).

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

João Campos endossou antipetismo no Recife

Na eleição do Recife, após fazer, no primeiro turno, uma campanha com tom propositivo e explorando a imagem da juventude do candidato João Campos, no segundo turno, o tom mudou no discurso do PSB. Largando atrás segundo as pesquisas de intenções de voto, o partido adotou como estratégia o antipetismo na capital, sobretudo no eleitorado conservador e da classe média.

> Jornal diz que João Campos foi ‘enfático’ no apoio do candidato de Bolsonaro à sucessão de Maia

Também houve difusão de panfletos apócrifos em frente a igrejas e templos religiosos com mensagens apontando a candidata Marília Arraes como contrária ao cristianismo e contra a Bíblia. A autoria não foi identificada pela Justiça Eleitoral, mas um juiz eleitoral determinou que a campanha de João Campos se abstivesse de divulgar os materiais e se prontificasse a evitar a sua disseminação pela cidade.


FECHAR