publicidade
04/01/21
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem

De olho em 2022, Geraldo Julio inicia nesta semana atividades como secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco

04 / jan
Publicado por José Matheus Santos em Notícias às 11:15

Ex-prefeito do Recife, Geraldo Julio inicia as atividades como secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco nesta primeira semana de 2021. Ele foi empossado na nova função na última sexta-feira (1º), horas após passar o comando da capital para o prefeito João Campos (PSB).

Nesta semana, Geraldo Julio deverá iniciar a escolha de auxiliares e se informar sobre dados e projetos em andamento na Secretaria de Desenvolvimento Econômico.

No Governo de Pernambuco, a secretaria é considerada “fundamental para a retomada do estado após a pandemia”, logo após a vacinação contra a covid – sem data prevista para iniciar.

Geraldo Julio é o provável candidato do PSB a governador de Pernambuco nas eleições de 2022. Com a vitrine da secretaria de Desenvolvimento Econômico, segundo informações de bastidores, o objetivo é ampliar o grau de conhecimento no interior do estado e ampliar as relações com investidores, prefeitos e lideranças regionais.

LEIA TAMBÉM:
> Paulo Câmara já empossou Geraldo Julio como secretário de Desenvolvimento Econômico
> Provável candidato a governador em 2022, Geraldo Julio assume Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco
> Vitória de João Campos fortalece provável candidatura de Geraldo Julio a governador em 2022

O ex-prefeito do Recife assume a secretaria no lugar de Bruno Schwambach, que pediu para sair da pasta para estudos no exterior.

Antes de comandar a Prefeitura do Recife por oito anos, Geraldo Julio atuou na gestão do governador Eduardo Campos à frente das Secretarias de Planejamento e de Desenvolvimento Econômico. Geraldo é formado em administração de empresas e servidor concursado do Tribunal de Contas do Estado.

> Confira todos os secretários de João Campos na Prefeitura do Recife

2020 ligado a 2022

A vitória de João Campos (PSB) na disputa pela prefeitura do Recife fortaleceu o palanque do provável candidato a governador nas eleições de 2022, Geraldo Julio. O atual prefeito é o mais cotado nas hostes do PSB para disputar a sucessão do atual chefe do Executivo estadual, Paulo Câmara.

A ligação de 2020 com 2022 ficou diretamente explícita durante a campanha para o segundo turno, quando nomes da centro-direita e da direita declararam apoio a Marília Arraes, mesmo a postulante sendo do campo da esquerda. Isso porque o cálculo da oposição à direita era de que uma vitória da petista fragilizaria o PSB nas eleições estaduais de 2022.

LEIA TAMBÉM: Marília Arraes promete fiscalizar gestão de João Campos na Prefeitura do Recife

Na semana seguinte à votação do primeiro turno, o ex-senador Armando Monteiro Neto (PTB), que apoiou Mendonça Filho (DEM) na etapa inicial da disputa, o presidente estadual do Podemos, Ricardo Teobaldo – do partido que lançou a Delegada Patrícia como candidata – e o prefeito reeleito de Jaboatão dos Guararapes, Anderson Ferreira (PL), bolsonarista e ligado ao segmento evangélico, aderiram a Marília Arraes na ambição de tomar o comando o estado das mãos do PSB.

Nas eleições de 2022, o PSB sinaliza para uma frente nacional junto com PDT, PV e Rede Sustentabilidade. No Recife, João Campos disputou a prefeitura com Isabella de Roldão (PDT) na vice. É provável que esses partidos integrem a coligação de Geraldo Julio na disputa pelo Estado em 2022.

Nos bastidores, já era cogitada a possibilidade de Geraldo Julio se tornar secretário do governo Paulo Câmara em 2021, em uma pasta que permitisse ampliar o grau de conhecimento no interior do estado, o que veio a se confirmar no último dia de 2020.

Paulo Câmara Geraldo Julio
Foto: Roberto Pereira/PSB

Nas próximas eleições, a oposição tem, entre os nomes ventilados para integrar a chapa majoritária, o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), líder do governo Bolsonaro no Senado, os prefeitos reeleitos de Jaboatão, Anderson Ferreira (PL), de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), e de Petrolina, Miguel Coelho (MDB). O trio foi reeleito com votação expressiva nas suas respectivas cidades e fazem oposição ao PSB.

Uma eventual vitória de Geraldo Julio no pleito de 2022 ampliaria a hegemonia do PSB no governo de Pernambuco para 20 anos. A trajetória da sigla na gestão estadual começou em 2007, com Eduardo Campos, ao bater Mendonça Filho (DEM) no segundo turno da disputa. Em 2010, o então governador se reelegeu com facilidade e bateu no primeiro turno Jarbas Vasconcelos (MDB), sendo o mais votado do Brasil para o cargo de governador naquele ano. Em 2014, Paulo Câmara venceu a disputa estadual contra Armando Monteiro. O governador pelo PSB foi reeleito quatro anos depois tendo o mesmo rival como principal adversário na disputa.

Por outro lado, ocorrendo uma eventual derrota em 2022 do PSB, a sigla perderia o comando do estado após 16 anos. O partido tem no estado a sua principal força política do país. O ocaso poderia ser não apenas local mas também de impactos nacionais no PSB.


FECHAR