publicidade
10/12/20
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

PF faz operação contra suposto esquema de corrupção e realiza buscas no Recife e outras cinco cidades de Pernambuco

10 / dez
Publicado por José Matheus Santos em Notícias às 7:26

A Polícia Federal (PF) cumpre, nesta quinta-feira (10), 11 mandados de busca e apreensão dentro da Operação Articulata em Recife, Olinda, Camaragibe, Itapissuma, Gravatá e Ipojuca.

A ação partiu da análise dos materiais apreendidos na Operação Casa de Papel, que investiga contratos das prefeituras de Recife, Olinda, Paulista e Cabo de Santo Agostinho em compras para combate à covid-19.

LEIA TAMBÉM:
> Em 16 de julho, a PF deflagrou operação para apurar contratos de prefeituras de Recife, Olinda, Cabo e Paulista com suposta empresa ‘laranja’
> Sem crise, Câmara do Recife quer gastar 3 milhões por ano com fotógrafo e operador de imagens para TV
> No Dia Internacional contra a Corrupção, Paulo Câmara cria Comissão de Ética Pública em Pernambuco
> MPPE obtém decisão judicial condenando ex-prefeito de Ipojuca Pedro Serafim, por improbidade administrativa
> Caminhos de Pernambuco: Paulo Câmara lança licitação de R$ 50 milhões em Goiana

De acordo com a PF, a Operação Casa de Papel, realizada em 16 de julho, revelou possível participação de pessoa com prerrogativa de foro em supostos esquemas de corrupção, organização criminosa, favorecimento em licitações, entre outras suspeitas. O nome da pessoa com foro privilegiado não foi informado.

As buscas estão sendo feitas em sedes de empresas, endereços residenciais e um órgão público, que também não foi informado pela Polícia Federal.

Os mandados foram expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 5a Região (TRF-5).

O nome da operação Articulata foi inspirado no termo em latim do adjetivo articulado, numa alusão ao papel de articulador supostamente exercido pela pessoa com prerrogativa de foro investigada, segundo a PF.

LEIA TAMBÉM:
> Jornal diz que João Campos foi ‘enfático’ no apoio do candidato de Bolsonaro à sucessão de Maia
> Após defender neto João Campos de ataques na campanha, Ana Arraes faz foto ao seu lado em Brasília
> ‘Ajuda do governo federal salvou Pernambuco de um colapso fiscal’, diz Antonio Coelho
> Vereadora eleita do PT do Recife: ‘se a Justiça Eleitoral não anular a eleição em Recife, ela pode fechar’
> Em Petrolina, Miguel Coelho diz que não vai esperar Bolsonaro ou Paulo Câmara para vacina contra coronavírus

Relembre a Operação Casa de Papel

A operação Articulata, deflagrada nesta quarta-feira (10), é um desdobramento a partir dos materiais apreendidos na operação Casa de Papel, ocorrida há cerca de cinco meses.

No dia de 16 de junho, a Polícia Federal, em parceria com a Controladoria-Geral da União, a operação Casa de Papel para investigar a contratação, sem licitação, da empresa AJS COMÉRCIO E REPRESENTAÇÃO LTDA pelas prefeituras de Recife, Olinda, Paulista e Cabo de Santo Agostinho para fornecimento de materiais médico-hospitalares para enfrentamento à pandemia de covid-19. Os contratos somam quase R$ 9 milhões de reais.

Segundo a PF, o contrato da AJS com o Recife é de R$ 7,5 milhões. Em Olinda e no Cabo, os vínculos são de R$ 600 mil cada. Já em Paulista o contrato sob investigação é no valor de R$ 44 milhões.

Na ocasião, não houve mandados de prisão. Ao todo, 160 policiais federais cumpriram 35 mandados de busca e apreensão que tinham por objetivo investigar os crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, corrupção ativa e dispensa indevida de licitação.

“Verificou-se que a empresa contratada era de fachada, fora constituída em nome de laranjas e pertencia, em verdade, a um grupo econômico que já vinha sendo favorecido há quase uma década por contratações públicas milionárias, via de regra, envolvendo atividades de gráfica”, disse a Polícia Federal em nota em 16 de julho.

A investigação constatou que parte dos recursos públicos recebidos teria sido sacada em espécie ou então remetida para contas de “laranjas” ou de empresas fantasmas, onde seriam sacados em espécie e, geralmente, de maneira fracionada, para não chamar a atenção dos órgãos de controle.

Os investigadores suspeitam que o dinheiro vivo era utilizado para pagar propina a políticos envolvidos nas contratações.

LEIA TAMBÉM: Saiba como participar de concurso do Cremepe com 74 vagas de emprego para médicos e assistentes técnicos

Respostas sobre a Operação Casa de Papel

Relembre os posicionamentos das gestões municipais sobre a Operação Casa de Papel, realizada em 16 de julho:

Prefeitura do Recife

“A Prefeitura do Recife informa que as compras às empresas Saúde Brasil e AJS Comércio e Representações foram realizadas cumprindo todas as exigências da Lei 13.979/2020.

Todos os processos dessas empresas foram enviados anteriormente por iniciativa da Prefeitura ao Tribunal de Contas, Ministério Público Federal e, por solicitação, à Polícia Civil.

Os preços estão de acordo com os praticados no mercado e toda documentação exigida pela lei foi apresentada.

Todos os materiais comprados já foram recebidos e estão em uso nas unidades de saúde da emergência da COVID-19.

O valor total das compras realizadas e recebidas foi de R$ 7,5 milhões da empresa AJS e R$ 15,5 milhões da empresa Saúde Brasil.

A Prefeitura continua à disposição de todos os órgãos de controle para esclarecer o que for necessário e reafirma que todos os processos cumpriram as exigências legais.”

Prefeitura de Olinda

“A Prefeitura de Olinda reafirma a legalidade dos processos da Secretaria de Saúde, a qual tem desempenhado um trabalho incontestável em favor da população nessa Pandemia. A Prefeitura recebeu a operação da Polícia Federal deflagrada em diversos municípios do estado, dentre eles, Olinda. Os valores dos produtos recebidos somam o montante de R$282mil, sendo que o material foi contratado no preço de mercado, foi efetivamente entregue e o valor da compra ainda nem foi pago. A Prefeitura apóia toda forma de investigação e apuração e se coloca à disposição, não apenas da Polícia Federal, como também de todos os órgãos de fiscalização e controle.”

Prefeitura de Paulista

“A Educação do Paulista esclarece que o contrato com a AJS Comércio e Representações foi de R$40.000,00, porém, denúncia feita na Polícia Federal é que este contrato seria de R$600.000,00 sem licitação. O referido contrato foi realizado dentro dos parâmetros legais para aquisição de máscaras, álcool em gel, álcool etílico a 70° e luvas para proteger os gestores das 65 escolas municipais durante a entrega do kit alimentação em substituição à merenda escolar. A equipe da Polícia Federal que esteve na Secretaria de Educação pode constatar parte do material adquirido e o planejamento de distribuição de outra parte deste material para as escolas”


FECHAR