publicidade
01/12/20
Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Após eleições, Silvio Costa Filho defende que Congresso avance na discussão das reformas econômicas

01 / dez
Publicado por José Matheus Santos em Notícias às 7:53

Após as eleições municipais, o deputado federal Silvio Costa Filho (Republicanos) defende que o Congresso Nacional retome as discussões relacionadas às reformas econômicas.

O parlamentar entende que “o país vive um momento muito difícil por causa das crises sanitária e econômica”.

“Falei com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e me coloquei à disposição para, nos próximos 60 dias, focarmos na agenda das reformas. Entendo que precisamos avançar na reforma tributária, na reforma administrativa e no novo pacto federativo”, disse Silvio.

Silvio disse que “o país tem um quadro preocupante com mais de 14,1 milhões de desempregados, um dos piores índices dos últimos anos, com um déficit de mais de R$ 800 bilhões, diferente da perspectiva do início do ano, que era R$ 120 bilhões, e, além disso, há previsão de queda de mais de 5% no Produto Interno Bruto (PIB) e de uma baixa capacidade de investimento”.

“Precisamos buscar programas que estimulem o desenvolvimento econômico através de parcerias público-privadas, sempre com um olhar para o desenvolvimento social. Neste momento, o auxílio emergencial, ou a proposta do Renda Brasil, tem que entrar na ordem do dia, além dos investimentos em todas as carências sociais do Brasil”, acrescentou.

O deputado Silvio Costa Filho, que é presidente da Frente Parlamentar pelo Pacto Federativo, defende o discurso de “menos Brasília e mais Brasil”.

“Sou um municipalista convicto e entendo que, só através do fortalecimento das nossas cidades, vamos melhorar a qualidade de vida da população. Por isso, sou um defensor do novo pacto federativo, ou seja, menos Brasília e mais Brasil. Temos que fazer com que os estados e municípios recuperem a capacidade de investimento e tenham mais dinheiro para investir em infraestrutura, saúde, educação, entre outras áreas”, afirmou.


FECHAR