publicidade
25/09/20
Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem

Defensorias Públicas da União e do Estado e OAB pedem que Paulo Câmara vete o projeto de lei para que presos paguem por tornozeleiras eletrônicas

25 / set
Publicado por José Matheus Santos em Notícias às 8:28

A Defensoria Pública de Pernambuco elaborou, em conjunto com as Comissões de Igualdade Racial e de Defesa dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil, uma nota técnica que analisa os Projetos de Lei nº 394/2019 e nº 439/2019, que tramitaram na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe).

Os projetos estabelecem que presos ou apenados devem pagar pelo uso da tornozeleira eletrônica.

As propostas foram aprovadas em segunda discussão na Alepe.

> Alepe aprova que presos paguem por uso de tornozeleira eletrônica em Pernambuco. Alberto Feitosa comemora

O prazo para ser sancionado pelo governador Paulo Câmara é esta sexta-feira, dia 25. Caso passe, o Poder Público vai ser ressarcido pelo tempo de uso do equipamento, permitindo que esse valor seja descontado da remuneração paga pelo trabalho do preso.

A quantia cobrada será repassada ao Fundo Penitenciário de Pernambuco (Funpepe). No caso das pessoas que estejam provisoriamente privadas de liberdade, caso seja absolvida no final do processo, o recurso desembolsado pela manutenção das tornozeleiras deve ser devolvido pelo Estado.

“Argumentos como a análise do perfil da população carcerária de Pernambuco e sua hipossuficiência, como a caracterização das prisões brasileiras como estado de coisas inconstitucional, também como o fato de que não apenas o Estado não proporciona trabalho suficiente aos presos e apenados, mas estaria descaracterizando o trabalho prisional e transformando-o em trabalho forçado por meio da proposta do PL”, afirma a nota técnica.

“E por fim, a questão puramente econômica de que é mais custoso ao erário público manter uma pessoa presa do que fornecer a o aparelho de monitoramento, entre outros, se unem ao argumento basilar da inconstitucionalidade do PL para formar não apenas suficiente, mas também robusta, motivação para a apresentação do veto pelo governador de Pernambuco”, complementam as Defensorias Públicas e a OAB.


FECHAR