publicidade
15/08/20

SDS diz que violência contra a mulher recuou em Pernambuco

15 / ago
Publicado por jamildo em Notícias às 12:30

A SDS divulgou que Pernambuco teve uma queda de 50% nos feminicídios, quando a mulher é morta pela condição de gênero. Em julho de 2020, houve três casos, contra seis no mesmo mês do ano passado. Os estupros também tiveram um declínio significativo nos registros: -40,18%, passando de 219 queixas, em julho do ano passado, contra 131 no mês passado.

As denúncias de violência doméstica também mantiveram a tendência de queda, mas de forma menos acentuada. A redução de 3,65% representa 118 queixas a menos, na confrontação dos dois julhos (3.231, em 2019, caindo para 3.113, em 2020).

“Estamos trabalhando de forma redobrada na pandemia e a rede de proteção à mulher está em alerta. Fizemos campanhas de incentivo às denúncias, intensificamos acompanhamentos às vítimas, solicitações de medidas protetivas e celeridade às investigações. As forças de segurança tinham em seu planejamento a possibilidade de o isolamento social favorecer a violência contra a mulher. Mas redirecionamos esforços para aumentar a prevenção e a repressão. Mas não podemos comemorar. Sabemos que há ainda subnotificação, especialmente quando falamos de crimes cometidos por pessoas muito próximas, muitas vezes dentro dos lares, e é preciso denunciar, ter amigos, parentes e vizinhos vigilantes contra os agressores”, adverte a gestora do Departamento de Polícia da Mulher (DPMUL), delegada Julieta Japiassu.

ESTATÍSTICAS GERAIS DE CVLI

O sétimo mês de 2020 chegou ao fim com 321 Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) registrados em Pernambuco, contra 249 mortes em julho de 2019. No consolidado do ano, foram 2.284 ocorrências registradas em 2020, contra 2.004 CVLIs no ano passado.

Esse crescimento atingiu todas as regiões do Estado. Levando em consideração os dados do mês de julho, o Agreste teve o menor percentual de aumento. De 62 crimes, em 2019, para 68 casos, neste ano, o que representa 9% a mais de ocorrência.

No Sertão, a diferença foi de +21,88% (de 32 para 39 casos), enquanto a Zona da Mata somou +34% (de 44 para 59 ocorrências).

Já no Recife, o aumento foi de 23,08% (de 39 para 48), enquanto a RMR (Exceto a capital), teve uma ampliação de 48,61% (De 72 para 107).

No consolidado do ano, é a Capital que mantem o menor percentual de aumento, chegando a 6,51%, ao somar 327 ocorrências, em 2020, contra 307 no mesmo período do ano passado.

O Agreste vem logo em seguida, com uma ampliação de 7,13% de crimes (de 505 para 541), enquanto a Região Metropolitana (exceto a Capital) e o Sertão somaram +12% (de 584 para 658) e +17% (de 223 para 261), respectivamente. Por fim, a Zona da Mata registrou aumento de 29% (de 385 para 497).

“As organizações criminosas, especialmente as com atuação no tráfico de drogas, não paralisaram suas atividades com a pandemia. Ao contrário, em meio à crise econômica e o desaquecimento das atividades comerciais, cobraram com a vida as pessoas endividadas ou que se interpuseram em seu caminho no mercado da droga. Em meio a esse cenário que é nacional, até mais acentuado em outros estados, estamos trabalhando para manter a paz social nas ruas, enfrentar a pandemia e quebrar a espinha dorsal desses grupos. Só em julho, foram 208 homicidas presos. Em todo o ano, totalizamos 3.627 armas de fogo apreendidas e 3.500 criminosos encarcerados. Identificamos as áreas mais aquecidas, quadrilhas e já estamos atacando o problema para fazer os crimes contra a vida voltarem a recuar”, afirma o secretário de Defesa Social, Antonio de Pádua.

AIS REGISTRAM MENORES MARCAS DO ANO

Importantes Áreas Integradas de Segurança (AIS) apresentaram os menores índices de CVLI dos últimos meses. Na RMR, a AIS-6, que engloba o município de Jaboatão, somou 23 vítimas, o menor número dos últimos 11 meses. Já no Agreste, a AIS-14 (18 vítimas), cuja sede é Caruaru, teve o menor número de homicídios dos últimos 14 meses, enquanto a AIS-26 (6 crimes), com sede em Petrolina, teve o menor registro dos últimos 13 meses.

Relação dos 91 municípios que não tiveram registro de CVLI em julho de 2020:

Afogados da Ingazeira, Afrânio, Agrestina, Águas Belas, Amaraji, Angelim, Barra de Guabiraba, Belém de Maria, Belém de São Francisco, Bodocó, Bom Conselho, Bonito, Brejão, Brejo da Madre de Deus, Buenos Aires, Cabrobó, Cachoeirinha, Caetés, Calçado, Calumbi, Camocim de São Félix, Camutanga, Canhotinho, Capoeiras, Carnaubeira da Penha, Cedro, Chã Grande, Condado, Correntes, Cortês, Dormentes, Exu, Feira Nova, Fernando de Noronha, Ferreiros, Frei Miguelinho, Granito, Iati, Ibimirim, Ibirajuba, Iguaraci, Ingazeira, Itacuruba, Itapetim, Itaquitinga, Jaqueira, Jataúba, Jatobá, Joaquim Nabuco, Jucati, Jupi, Jurema, Lagoa do Carro, Lagoa do Ouro, Lagoa dos Gatos, Limoeiro, Machados, Mirandiba, Moreilândia, Orobó, Orocó, Palmeirina, Parnamirim, Petrolândia, Pombos, Quipapá, Quixaba, Sairé, Salgadinho, Sanharó, Santa Cruz da Baixa Verde, Santa Filomena, Santa Maria da Boa Vista, São Benedito do Sul, São Jose da Coroa Grande, São Jose do Belmonte, Serrita, Solidão, Surubim, Tacaimbó, Tacaratu, Terezinha, Terra Nova, Triunfo, Tupanatinga, Tuparetama, Venturosa, Verdejante, Vertente do Lério, Vertentes, Xexéu.

 


FECHAR