publicidade
29/07/20
Foto: Reprodução/TV Jornal
Foto: Reprodução/TV Jornal

Polícia Civil prende três agentes públicos em segunda fase de operação no Cabo de Santo Agostinho

29 / jul
Publicado por José Matheus Santos em Notícias às 7:57

A Polícia Civil deflagou, na manhã desta quarta-feira (29), a Operação Rateio II, contra práticas de crimes de peculato, falsidade documental e frustração de direito trabalhista no Cabo de Santo Agostinho, na Região Metropolitana do Recife. A primeira fase da Operação Rateio prendeu o vereador Flávio do Fórum (PL).

A investigação foi iniciada em junho de 2019. De acordo com a Polícia Civil, os investigados faziam um esquema de rachadinhas – quando o parlamentar fica com parte do salário de funcionários – que desviou pelo menos R$ 2,6 milhões dos cofres da Câmara Municipal do Cabo.

LEIA TAMBÉM: Operação da Polícia Civil prende vereador do Cabo de Santo Agostinho

O presidente da Câmara do Cabo, Neto da Farmácia (PDT) também é investigado na operação

Nesta quarta, a Polícia cumpre três mandados de prisão preventiva de agentes públicos. As prisões foram decretadas pela 1ª Vara Criminal da Comarca do Cabo de Santo Agostinho. Os nomes dos alvos não foram divulgados.

A operação é vinculada à Diretoria Integrada Especializada (Diresp), sob a presidência da delegada Isabela Porpino, adjunta da 1ª Delegacia de Combate à Corrupção, do Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Dracco).

Nas diligências, estão atuando 20 policiais civis, entre delegados, agentes e escrivães.

Primeira fase da operação

De acordo com a polícia, Neto da Farmácia tinha conhecimento dos atos ilícitos e auxiliava Flávio do Fórum, que era o 1º secretário da Casa, a executá-los.

Na coletiva de imprensa para detalhar as ações da Operação Rateio I, no 22 de julho, a delegada Isabela Porpino informou que os próprios vereadores ou pessoas ligadas a eles arrecadavam parte dos salários pagos a 11 funcionários com cargos comissionados da Casa. Em algumas situações, por exemplo, o servidor deveria receber por volta de R$ 12 mil e ficava com apenas R$ 1000 do ordenado.

“O presidente da Câmara era responsável por ceder diversos assessores para esse gabinete (de Fávio do Fórum) e publicar diversas exonerações e contratações. Para quem não entende a razão desse movimento, demissões em massa ocorriam na Casa, mas os funcionários eram logo recontratados, tudo isso com a intenção de apropriação das verbas indenizatórias oriundas dessas exonerações”, pontuou a delegada.

Isabela Porpino acrescentou que, de 2017 até agora, apenas com os vencimentos desses 11 servidores, ao menos R$ 2,6 milhões foram desviado do Legislativo municipal pelo grupo. A investigadora ressalta, contudo, que esse montante pode ser ainda maior, uma vez que vários outros funcionários comissionados teriam entrado e saído do esquema nesse período.

Ela destaca, também, que os ocupantes desses cargos comissionados também podem responder à Justiça. “Vai depender do esclarecimento das circunstâncias de como tudo ocorria, se eles foram coagidos, se receberam vantagem, se concordavam com o esquema. Há vários detalhes que precisam ser verificados até o fim das investigações”, explicou.


FECHAR