publicidade
02/07/20
Foto: Wellington Lima/JC Imagem
Foto: Wellington Lima/JC Imagem

Missão cumprida nas redes sociais

02 / jul
Publicado por José Matheus Santos em Notícias às 9:06

Por Polliana Cavalcanti e Vitor Vaz, da BITES, em informe ao blog

Os entregadores de aplicativo, como iFood, Rappi e UberEats, mobilizados nesta quarta-feira, 1º de julho, para reivindicar melhores condições de trabalho alcançaram o seu objetivo em impactar as redes sociais com a sua mensagem.

No Twitter, Instagram e Facebook chamaram atenção para os problemas da categoria, criaram constrangimento público para as marcas e receberam apoio de agentes políticos, especialmente de setores da oposição.

A ação não alcançou com a mesma força outros pontos da Internet, como as buscas no Google que mantiveram como maior interesse o seu padrão recorrente de consultas por cupons de desconto das empresas.

Até às 16h de hoje, as hashtags #BrequeDosApps e #Apoio #BrequeDosApps tinham somado 166 mil tweets com 303 milhões de impressões em potencial, mantendo o assunto o dia todo nos Trending Topics do Twitter. No Instagram, o número das hashtags alcançou 8,2 mil publicações.

As paralisações ocorreram em diversos pontos do Brasil. Conforme publicado pelo perfil no Instagram @tretanotrampo, que apoia o movimento, cidades como Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro, Niterói, Florianópolis, Porto Alegre, Curitiba e Recife seriam algumas que aderiram à manifestação.

protesto entregadores de aplicativo (1)
Foto: Wellington Lima/JC Imagem

Há relatos de outros seis países da América do Sul, como Argentina e Chile, usando a hashtag #yonoreparto, que também terão greves.

Os entregadores têm pedido para que os consumidores também os apoiem nessa causa. Uma das formas é avaliando negativamente os aplicativos.

Até as 16 horas, dados históricos da SensorTower apontam que já foram feitas 43 mil avaliações com 1 estrela no país aplicativos iFood, Rappi e Uber Eats, o que representa 19% do total registrado; avaliações 5 estrelas ainda representam 65%.

As 3 empresas já estavam sendo criticadas na App Store desde sábado, quando receberam 112 reclamações e 68 elogios. Hoje esse volume foi de 933, contra apenas 22 positivas.

No ranking de downloads da loja Apple é possível ver uma queda para 2 das 3 principais empresas. O iFood desceu 7 posições, do 38º na terça-feira 24 para 45º no dia de hoje.

As colocações de Uber Eats e Rappi foram de 58º para 62º. A Rappi foi a única que apresentou crescimento, saindo da 135ª posição para a 128º.

Estudo do RankMyApp anunciou que downloads de apps para quem tem interesse em trabalhar com delivery cresceu em média 200% entre março e abril.

Já são mais de 85 mil entregadores apenas do iFood no Brasil e cerca de de 195 mil do Rappi , compostos predominantemente por homens entre 25 e 34 anos, os chamados millennials.

As empresas não realizaram posts públicos hoje nas redes sociais – uma tentativa de evitar ataques no ambiente online, porém mantiveram seus anúncios ativos.

A Ubereats, Ifood e James, por exemplo, veicularam entre ontem e hoje, anúncios enfatizando descontos nas compras, frete grátis e entrega rápida em provável represália ao movimento.

Com a pressão feita pela opinião pública digital nas redes, o iFood e o Rappi posicionaram-se, alegando que têm trabalhado medidas para apoiar os entregadores. Entretanto, os argumentos não foram suficientes para atender às expectativas dos usuários.


FECHAR