publicidade
02/07/20
Foto; Reprodução
Foto; Reprodução

João Campos defende a prorrogação do auxílio emergencial até dezembro

02 / jul
Publicado por Larissa Santana de Lira em Notícias às 15:09

O deputado federal João Campos (PSB) participou, nessa quarta-feira (1º) de uma sessão presencial na Câmara dos Deputados, em Brasília. Nela, o deputado defendeu a criação da Frente Parlamentar Mista da Renda Básica e a prorrogação do auxílio emergencial até dezembro e em seu valor integral de R$ 600. 

Na última terça-feira (30) o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) assinou decreto que prorroga o auxílio por mais dois meses. Para João Campos, estender o prazo até dezembro permite uma transição equilibrada para o novo modelo de benefício a ser proposto. 

LEIA TAMBÉM: 

> Prazo para pedir o auxílio emergencial termina nesta quinta-feira (2)

> Indústria avança 7% em maio, após tombo com a pandemia

> Paulo Câmara recebe Rodrigo Maia para discutir combate ao coronavírus

“A renda básica permanente é algo que pode libertar brasileiras e brasileiros para que eles possam tomar decisões em suas vidas, tendo certeza que terão, pelo menos, o mínimo para sobreviver”.

O deputado é autor do Projeto de Lei (PL 3503/2020) que propõe a extensão do Auxílio Emergencial, no valor de R$ 600 e que conta com a coautoria de 45 deputados de nove partidos diferentes, além do apoio de mais de 160 entidades da sociedade civil. Mas, para garantir o básico à população, o foco é debater a extensão de uma renda básica que seja permanente e apresentar uma proposta concreta deste projeto à sociedade. Nesse sentido, João defende que a criação da Frente da Renda Básica é uma questão de ordem prioritária e segue colhendo apoios.

“Quando a pandemia do coronavírus cessar, o Brasil vai enfrentar uma das maiores crises já vistas. A economia estará fragilizada, o nível de desemprego será altíssimo e muitas pessoas estarão entrando na pobreza e extrema pobreza. O Estado precisa realizar uma injeção suficiente de recursos e investimentos para reverter este cenário. E, diante de um governo omisso, o Congresso terá que assumir a responsabilidade de tomar decisões que garantam os direitos básicos do povo”, conclui Campos.

 


FECHAR