publicidade
30/06/20
Foto: Facebook/Marielle Franco
Foto: Facebook/Marielle Franco

Polícia Civil do Rio de Janeiro faz operação ligada ao caso Marielle

30 / jun
Publicado por José Matheus Santos em Notícias às 8:14

Com informações do UOL e jornal “O Globo”

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio (MPRJ) deflagraram, na manhã desta terça-feira (30), uma operação contra o principal grupo de matadores de aluguel do Rio, suspeito de assassinar a vereadora Mariellle Franco: o “Escritório do Crime”.

A ação foi batizada de Tânatos, numa referência ao ‘Deus da Morte’ na mitologia grega.

Agentes cumprem seis mandados de prisão contra os chefes do bando, além de 31 de busca e apreensão em vários pontos da cidade. Alguns  locais são residências de três  ex-PMs e de um policial da reserva.

O principal alvo é  Leonardo Gouvea da Silva, o Mad, substituto do ex-capitão do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), Adriano Magalhães da Nóbrega, à frente da organização criminosa.

Segundo o Ministério Público, a operação é resultante de três denúncias que descrevem os crimes cometidos pelo grupo, que possuía ligação com Adriano Magalhães da Nóbrega, conhecido como Capitão Adriano, “que exercia forte influência sobre o bando”.

Adriano foi morto em fevereiro deste ano durante operação que buscava prendê-lo na Bahia.

Adriano, de acordo com o MP, é apontado como mandante do homicídio de Marcelo Diotti da Mata, na noite do dia 14 de março de 2018, mesmo dia em que a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes foram assassinados. Diotti, que já havia sido preso por homicídio e exploração de máquinas de caça-níqueis, era visto, segundo o MP, como desafeto pelo grupo.

 


FECHAR