publicidade
27/06/20
Foto: Guga Matos/ Acervo JC Imagem
Foto: Guga Matos/ Acervo JC Imagem

Menos brasileiros relataram sintomas da covid-19 no início de junho, diz IBGE

27 / jun
Publicado por José Matheus Santos em Notícias às 11:30

O número de pessoas com algum sintoma de síndrome gripal que procuraram atendimento médico em unidades de saúde na primeira semana de junho caiu para 2,8 milhões. Isso representa 877 mil pessoas a menos em relação à última semana de maio (3,6 milhões). Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (26) pelo IBGE.

O levantamento é uma versão da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua), realizada com apoio do Ministério da Saúde, para identificar os impactos da pandemia no mercado de trabalho e para quantificar as pessoas com sintomas associados à síndrome gripal.

“Embora o número de pessoas que referiram algum sintoma e procurou atendimento tenha reduzido, esse grupo cresceu em termos percentuais. Na primeira semana de maio, 13,7% das pessoas com sintomas procuraram atendimento. Esse percentual foi subindo até chegar a 17,5% na primeira semana de junho”, disse a coordenadora da pesquisa, Maria Lucia Vieira.

Cai em 6,3 milhões o número de pessoas com sintomas de gripe na primeira semana de junho

A queda na procura por atendimento médico reflete a redução na quantidade de pessoas que relataram ao menos um dos 12 sintomas investigados pela pesquisa associados à gripe (febre, tosse, dor de garganta, dificuldade para respirar, dor de cabeça, dor no peito, náusea, nariz entupido ou escorrendo, fadiga, dor nos olhos, perda de olfato ou paladar e dor muscular).

Na primeira semana de junho, 15,8 milhões se queixaram de algum sintoma gripal, frente a 22,1 milhões na semana anterior, ou seja menos 6,3 milhões de pessoas. Na primeira semana de maio, eram 26,8 milhões.

Também houve queda em todos os sintomas investigados. O mais recorrente foi a dor de cabeça, relatado por 7,2 milhões de pessoas. Na última semana de maio, 10,2 milhões haviam se queixado da dor.

Outros sintomas mais citados, na primeira semana de junho, foram nariz entupido ou escorrendo (5,5 milhões), tosse (4,4 milhões), dor muscular (4,2 milhões), febre (3,3 milhões) e dificuldade de respirar (1,9 milhões).

Dos 2,8 milhões que tiveram algum sintoma e buscaram atendimento médico, mais de 85% foram para unidades do Sistema Único de Saúde (SUS). Embora a procura por postos de saúde e prontos-socorros da rede pública tenha ficado estável, cresceu de 17,3% para 23,9% o percentual de pessoas que buscaram atendimento em hospitais da rede pública de saúde.

Os demais doentes foram para a rede privada, sendo que 8,9% buscou atendimento em ambulatório ou consultório privado; 11% em hospital privado e; 3,2% em pronto socorro privado.

Dos que buscaram atendimento em hospital, público, particular ou ligado às forças armadas na primeira semana de junho, 121 mil ficaram internados, seis mil a menos na comparação com a última semana de maio.


FECHAR