publicidade
25/06/20
Foto: Rádio Jornal
Foto: Rádio Jornal

Mendonça Filho acusa Geraldo Júlio de usar a pandemia do coronavírus para inviabilizar financeiramente a próxima gestão

25 / jun
Publicado por José Matheus Santos em Notícias às 17:51

*Por Larissa Lira*

O ex-ministro da Educação Mendonça Filho disse, nesta quinta-feira (25), que o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, está se aproveitando da pandemia para maquiar os problemas financeiros da sua gestão, aumentando o endividamento da Prefeitura do Recife, e inviabilizar a manutenção da cidade e os investimentos da próxima gestão.

“Se valer da contribuição previdenciária para pagar salário é mais uma manobra. Salário de servidor é obrigação que deve ser paga com receita corrente de tributos. O prefeito está aumentando o endividamento do município ao empurrar o pagamento de R$ 112 milhões da previdência dos servidores para a próxima gestão”, critica.

Ele ainda acrescenta que com essa medida, o sucessor do até então prefeito do Recife, Geraldo Júlio, terá de honrar com o “pagamento previdenciário do exercício e assumir o débito passado de R$ 112 milhões que a atual gestão está deixando de recolher entre março e dezembro deste ano”.

O prefeito sancionou uma lei, na véspera do São João, suspendendo os pagamentos das contribuições previdenciárias patronais do município, de suas autarquias e fundações devidas ao Reciprev, com efeito retroativo para março e até dezembro de 2020.

“Dinheiro quando entra na conta não tem cor”

Segundo Mendonça, o pagamento de salário está sendo usado como desculpa para justificar o calote previdenciário da atual gestão. “O dinheiro quando entra na conta não tem cor. Se vai aplicar na manutenção da cidade, em propaganda ou no pagamento de folha é apenas uma questão de como a gestão vai priorizar a sua aplicação na boca do caixa no tesouro”, argumenta.

Mendonça Filho alertou para o fato de a gestão Geraldo Júlio estar adotando uma série de medidas que vão comprometer fortemente as finanças da próxima gestão. A antecipação do o pagamento do IPTU e da taxa de lixo (TRSD) de 2021, num valor correspondente a cerca de R$ 120 milhões, é uma dessas medidas, que vai comprometer as finanças do município e a prestação de serviços como coleta de lixo no próximo ano.

“Denunciamos que antecipação do pagamento do IPTU é inconstitucional e fera a Lei de Responsabilidade Fiscal”, afirma lembrando que entrou com uma Ação Popular sob o argumento de que não pode ser dado um cheque em branco para a Prefeitura possibilitar ilegalmente que o contribuinte adiante um tributo cujo fato gerador não está implementado.

Ao ser questionada sobre a fala, a assessoria de comunicação da Prefeitura do Recife preferiu não se posicionar sobre os comentários do ex-ministro.


FECHAR