publicidade
12/04/20
Luís Roberto Barroso (Foto: Carlos Moura/STF)
Luís Roberto Barroso (Foto: Carlos Moura/STF)

Barroso diz que aglomeração em convenções e testes das urnas são entraves para eleições de outubro

12 / abr
Publicado por José Matheus Santos em Notícias às 13:39

O ministro do Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse que as aglomerações das convenções partidárias e a fase de testes das urnas eletrônicas são obstáculos à realização das eleições municipais de outubro durante a pandemia do novo coronavírus. A declaração foi feita em entrevista à “Folha de S.Paulo” deste domingo (12).

As eleições estão marcadas para 4 de outubro (primeiro turno) e 25 de outubro (segundo turno).

LEIA TAMBÉM:
> Governador ou prefeito que flexibilizar isolamento social sem respaldo pode ser alvo de improbidade administrativa, diz MPF
> Ex-senador Armando Monteiro Neto (PTB) está curado do coronavírus
> Morre, aos 42 anos, presidente da Câmara de Vereadores de São Lourenço da Mata
> Prefeitura do Recife constrói hospital de campanha maior que o Hospital da Mulher, em 20 dias
> Bolsonaro beneficia 900 mil consumidores em Pernambuco com isenção de tarifa de energia para baixa renda

Vice-presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Barroso assume a presidência da Corte em maio. Ele substituirá a atual presidente do tribunal, ministra Rosa Weber.

Na entrevista, o ministro Luís Roberto Barroso defendeu que um possível adiamento das eleições seja por poucas semanas e se mostrou contrário à prorrogação dos mandatos de prefeitos e vereadores para depois de 1º de janeiro de 2021.

LEIA MAIS:
> Governador do Rio Grande do Sul corta o próprio salário em 30% durante três meses, na crise do coronavírus
> Demissões de motoristas e cobradores viram novela. Sindicato cobra Paulo Câmara e Urbana

Veja trechos da entrevista de Luís Roberto Barroso

Folha: as eleições municipais vão ocorrer em outubro?  

Barroso: A minha bola de cristal está um pouco embaçada para responder com certeza. Essa decisão não precisa ser tomada agora, mas a gente não deve fechar os olhos à realidade. Se chegarmos em junho sem um decréscimo substancial da pandemia, é possível ter que fazer esse adiamento, que não deve ser por um período mais prolongado do que o absolutamente necessário para fazerem eleições com segurança. Gostaria de trabalhar com a ideia de que não seja necessário adiar e que, se necessário, que estejamos falando de algumas semanas e nada mais do que isso.

Folha: qual problema pode atrapalhar as eleições devido à pandemia?  

Barroso: Há questões políticas e operacionais. As políticas são as datas das convenções partidárias, que têm limite até 5 de agosto e envolvem aglomeração. Além do próprio início da campanha, em 15 de agosto. Portanto, se houver risco de aglomerações em agosto, temos um problema.

Além disso, o sistema de urnas eletrônicas funciona primorosamente bem, mas depende de testes de segurança ao longo do período. Temos como marco junho para fazermos os testes e correções. Já temos o número de urnas suficiente para fazermos as eleições. A despeito disso, periodicamente se substitui uma parte das urnas que vão ficando antigas. Se isso não for possível, apenas teremos que aumentar o número de eleitores por urna.

Folha: como o senhor vê, num possível adiamento das eleições, a possibilidade de prorrogar o mandato dos atuais prefeitos?

Barroso: A prorrogação de mandato deve ser evitada até o limite do possível. Se ocorrer, que seja pelo mínimo tempo possível. Sou totalmente contrário à ideia de se fazer coincidir com as eleições em 2022, por questão de respeito ao princípio democrático, pois os prefeitos e vereadores foram eleitos por quatro anos e não têm mandato popular para ir além. Acho que não mudar as regras do jogo é um valor importante a ser preservado.

Veja a entrevista na íntegra aqui


FECHAR