publicidade
03/04/20
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Sindicato diz que Geraldo Julio quer ‘confiscar’ até 50% da remuneração dos professores por causa do coronavírus

03 / abr
Publicado por jamildo em Notícias às 12:39

Segundo o sindicato, a gestão do PSB no Recife quer cortar o adicional de acumulação, pois com a suspensão das aulas os professores não estariam em dupla jornada.

Veja a nota oficial da entidade, abaixo

GERALDO JULIO QUER CONFISCAR 50% DO SALÁRIO DAS PROFESSORAS ENQUANTO MANTÉM CONTRATOS COM EMPRESÁRIOS DA EDUCAÇÃO!

O prefeito Geraldo Julio e o secretário de educação Bernardo D’almeida covardemente anunciam ataque sem precedentes, cortando metade do salário de professoras e professores do Recife que trabalham em mais de um expediente em regime de acumulação.

O distanciamento social determinado pela própria PCR obrigou a suspensão imediata do trabalho, portanto, não pode haver nenhuma medida que traga prejuízos financeiros e consequências que afetem a renda familiar desses profissionais.

A maioria da categoria são mulheres que sustentam seus lares. É importante entender que os trabalhadores da educação fazem mais de uma jornada de trabalho justamente pela contínua e renitente política de desvalorização profissional por parte dos governos.

Geraldo Julio e todo seu governo honram os contratos com empresas privadas de “assessoramento” pedagógico, enquanto retiram do bolso das trabalhadoras e trabalhadores, aplicando a mesma política de Bolsonaro. Em um momento tão complicado como este, do avanço de uma pandemia, professoras e professores que estão em acumulação não podem ter seus direitos atacados desta forma. Medidas como essas de redução salarial só aumentam a crise que o país está vivendo. O SIMPERE não só repudia como também exige a suspensão imediata a tal medida.

Se a situação requer medidas emergenciais, que sejam cortados os gastos de empresas privadas na educação, e não os salários das professoras e professores!

#MANUTENÇÃO DE TODAS AS ACUMULAÇÕES;
#SUSPENSÃO IMEDIATA DOS CONTRATOS PRIVADOS DE “ASSESSORAMENTO” PEDAGÓGICO.


FECHAR