publicidade
03/04/20

Após interferência de Paulo Câmara, empresas de ônibus vão tornar sem efeito todas as demissões ocorridas esta semana

03 / abr
Publicado por jamildo em Notícias às 12:55

Os empresários de ônibus da Região Metropolitana do Recife (RMR), reunidos na Urbana, decidiram tornar sem efeito todas as demissões ocorridas esta semana.

Empresas de ônibus reavaliam demissões em massa no Grande Recife após intervenção de Paulo Câmara

A reavaliação dos cortes em massa ocorreu após uma interferência do governador Paulo Câmara, nesta sexta-feira.

Os detalhes das recontratações serão discutidos entre patrões e empregados, nos próximos horas.

“Ainda não há essa definição. Apenas conversas”, diz uma fonte do setor, confirmando indiretamente as negociações.

O sindicato da categoria havia feito um apelo direto ao governador, no começo desta semana, quando as demissões começaram a ocorrer. A mais emblemática delas aconteceu na porta da empresa Transcol.

O Sindicato dos Rodoviários denunciou, na manhã dessa terça-feira (31), que mais de 100 rodoviários da Transcol foram surpreendidos com demissões quando chegaram para trabalhar. Naquela manhã, eles estiveram concentrados em frente à garagem da empresa, na Guabiraba.

O Sindicato dos Rodoviários afirmou então que não aceitaria demissões em massa ou suspensão de salários.

LEIA TAMBÉM:
» Governadores do Nordeste anunciam comitê científico para enfrentar o coronavírus
» Geraldo Julio vai dar desconto de 10% para quem voltar atrás e decidir pagar em cota única IPTU de 2020
» Fecomércio pressiona Paulo Câmara pela reabertura ‘segura e gradual’ do comércio em Pernambuco
» Desesperados com queda nas receitas, 30% dos empresários locais já deram férias coletivas
» Novos testes de coronavírus vão contemplar profissionais de saúde e segurança em Pernambuco
» Por causa do coronavírus, TCE-PE suspende dois concursos públicos no interior de Pernambuco

Na mesma terça-feira (31), o Sindicato dos Rodoviários emitiu uma nota criticando o Governo de Pernambuco.

A categoria alegou que, segundo decreto do governador Paulo Câmara, a circulação de ônibus durante a pandemia do coronavírus deveria ocorrer sem aglomerações e denunciou que alguns coletivos circulam lotados no Grande Recife.

Veja a nota do Sindicato dos Rodoviários, de terça-feira

“Segundo portaria publicada pelo Governo Paulo Câmara no último dia 24, a fim de evitar exposição ao Coronavírus, os ônibus do Recife e Região Metropolitana só podem circular com passageiros sentados, sem aglomeração, e as empresas de ônibus “deverão adotar todas as providências para evitar acúmulo de passageiros em filas”. A portaria recomenda ainda que, para garantir isso, as empresas disponibilizem frota de estoque nos terminais de passageiros ou nas garagens.

Descumprindo a portaria, os empresários do transporte público diminuíram a frota nas ruas e os ônibus estão circulando lotados, expondo os trabalhadores rodoviários e a população a um risco excessivo de contaminação. Para completar, nesta terça-feira (31), começaram a implementar um plano de demissão em massa de rodoviários que vai tornar impossível o cumprimento das determinações do governo estadual.

É preciso que o Governo Paulo Câmara, responsável direto pela gerência do sistema de transporte coletivo, tome medidas contra estas demissões e o descumprimento da portaria. Paulo Câmara precisa chamar uma reunião entre os patrões e os trabalhadores rodoviários para intermediar uma saída que signifique proteção da saúde e do emprego.”

 

 

Veja a nota oficial da Urbana, neste sábado

A Urbana-PE informa que realizou na última sexta-feira (03) uma teleconferência com o governador de Pernambuco, Paulo Câmara. Na reunião foi solicitada a anulação dos desligamentos ocorridos no dia 31 de março.

A Urbana-PE comprometeu-se a procurar imediatamente o Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco para reavaliar as demissões, tendo já retomado os encontros na mesma sexta-feira e agendado novas reuniões ao longo do final de semana.

O setor está ciente da sua responsabilidade social e reitera que está incessantemente buscando alternativas para assegurar a continuidade de um serviço essencial à sociedade e garantir o cumprimento de suas obrigações.

A Urbana-PE acredita que serão encontradas soluções para o enfrentamento adequado deste quadro singular em nossa história.


FECHAR