publicidade
30/03/20

Prefeito de São Lourenço é o quarto gestor a anunciar corte do próprio salário, na crise do coronavirus

30 / mar
Publicado por jamildo em Notícias às 16:19

Antes, já haviam adotado a mesma medida na semana passada a prefeita de Surubim, de Ipojuca, além do prefeito de Olinda. Hoje foi a vez do prefeito de São Lourenço. Antes de entregar os dedos para cortes, os gestores estão se desfazendo das alianças. Diante do cenário de crise na economia, não terão como passar sem maiores cortes na máquina pública. O próprio Tribunal de Justiça do Estado (TJPE) foi o primeiro a cortar despesas na semana passada, incluindo algumas com pessoal.

O prefeito de São Lourenço da Mata Bruno Pereira reduziu seu próprio salário em R$ 50% e o do secretariado municipal em 25%; além de cortar novas nomeações, gratificações e auxílio alimentação dos funcionários do Executivo Municipal, com exceção, aos funcionários que atuam na linha de frente contra a covid-19.

Bruno Pereira disse que a medida visa economizar gastos, devido à estagnação dos setores econômicos e concentrar a receita da cidade na área da saúde, durante a situação de emergência devido à pandemia do coronavírus.

As medidas constam no Decreto Municipal Nº 115/2020, assinado na manhã desta segunda-feira (30).

“Consideramos questões como a calamidade declarada pelo governo do estado na área da saúde e a estagnação dos setores econômicos como o ICMS, do qual o município dispõe de sua cota-parte, e o FPM, maior receita da cidade, que sofrerá consequências diretas com os efeitos da crise na economia”, explicou o prefeito.

O chefe do Executivo disse que os recursos serão concentrados para área da saúde.

“Os valores finais serão aplicados no combate ao coronavírus, como adaptações de salas especiais no hospital municipal, medicamentos e novos equipamentos, como por exemplo, os de Proteção Individual (EPI’s), para auxiliar o trabalho de nossos funcionários da saúde. Com as medidas pretendemos intensificar o combate à covid-19 e garantir mais assistência médica aos infectados na cidade, que até o momento apresenta apenas um caso confirmado”, disse Bruno.

Ainda segundo o chefe do Executivo, as medidas começarão a ter validade neste mês de abril.

“Inicialmente colocamos sua validade para um mês, mas poderemos prorrogar, caso a crise se agrave. Outra área que concentraremos os recursos será a Assistência Social, devido ao número de pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade social e de risco nutricional. A folha salarial do mês de março já foi antecipada para os aposentados e pensionistas, que na sua maioria são idosos, e estão no grupo de risco do vírus; e os profissionais contratados e efeitos da saúde, que receberam na última sexta-feira (27)”, disse o prefeito.


FECHAR