publicidade
20/03/20
Áureo Cisneiros, presidente do Sinpol. Foto: Arquivo
Áureo Cisneiros, presidente do Sinpol. Foto: Arquivo

Coronavírus. Justiça determina que estado forneça equipamentos de proteção a policiais civis

20 / mar
Publicado por José Matheus Santos em Notícias às 8:39

O Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol) obteve na justiça decisão liminar para que o Governo de Pernambuco libere imediatamente todos os policiais civis que estão no grupo de risco do novo coronavírus. 

A decisão foi do Juízo da Quinta Vara da Fazenda Pública da Capital, que ainda determinou o fornecimento de equipamentos de proteção individual aos agentes em até 72 horas.

LEIA TAMBÉM
» Saiba tudo sobre o coronavírus
» Sobe para 28 o número de casos confirmados de coronavírus em Pernambuco
» Agentes pedem suspensão de visitas em presídios de Pernambuco
» Luciano Siqueira critica reação de Bolsonaro ao coronavírus
» Brasil fecha fronteiras com oito países da América do Sul por causa do coronavírus

“A Justiça apenas não garantiu que as unidades da Polícia Civil de Pernambuco funcionem no regime de plantão, pois é decisão do Poder Executivo, ou seja, quem decide é o Chefe de Polícia”, diz o Sinpol em nota.

O Sindicato ainda afirma que os agentes da Polícia Civil têm trabalhado sem equipamentos de proteção individual.

VEJA TAMBÉM
» Governo propõe que empresas cortem jornadas e salários pela metade em meio ao coronavírus
» Bolsonaro anuncia que mais um ministro está com coronavírus

“Os servidores policiais estão trabalhando sem equipamentos de proteção individual, com alto risco de contaminarem a população e com o risco de serem contaminados e até agora a Chefia de Polícia, o Secretário de Defesa Social (Antônio de Pádua) nem o governador (Paulo Câmara) apresentaram um plano de ação que vise garantir a saúde e a integridade física dos Agentes de Segurança”, critica o Sinpol.

O Sindicato dos Policiais Civis orienta os agentes do grupo de risco formalizem a situação individual. A categoria ainda ameaça que, se a decisão da Justiça não for cumprida, poderá paralisar as atividades.


FECHAR