publicidade
26/02/20
Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República)
Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República)

Após repassar vídeo de protesto contra o Congresso, Bolsonaro diz que troca mensagens de ‘cunho pessoal’ no WhatsApp

26 / fev
Publicado por José Matheus Santos em Notícias às 9:55

O presidente Jair Bolsonaro disse que troca mensagem de “cunho pessoal” com amigos no WhatsApp. Ele ainda afirmou que “qualquer ilação”, para além disso, são “tentativas rasteiras de tumultuar a República”.

“Tenho 35 milhões de seguidores em minhas mídias sociais, com notícias não divulgadas por parte da imprensa tradicional”, disse Bolsonaro.

Em mensagem no Twitter, Jair Bolsonaro não nega nem confirma ter enviado os vídeos sobre protestos contra o Congresso Nacional para contatos via WhatsApp, aplicativo de mensagem instantânea.

“No WhatsApp, algumas dezenas de amigos onde trocamos mensagens de cunho pessoal. Qualquer ilação fora desse contexto são tentativas rasteiras de tumultuar a República”, completou o presidente.

VEJA TAMBÉM:
» Bolsonaro dispara vídeo por WhatsApp convocando para ato considerado anti-Congresso
» Alexandre Frota vai entrar com pedido de impeachment contra Bolsonaro, diz revista

A declaração do presidente se dá em meio à polêmica instaurada após Jair Bolsonaro ter enviado vídeos em grupos de WhatsApp que conclamam a população a ir às ruas no dia 15 de março protestar contra o STF e o Congresso. A informação foi revelada pela jornalista Vera Magalhães, do jornal “O Estado de S.Paulo“, na noite da terça-feira (25).

VEJA MAIS:
» ‘Desrespeito ao país’, diz Paulo Câmara após Bolsonaro compartilhar vídeo sobre atos contra o Congresso
» ‘Criar tensão não ajuda o Brasil’, diz Maia após Bolsonaro compartilhar vídeo com manifestações anti-Congresso

Reação no STF

Decano do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Celso de Mello disse que, se confirmada a conclamação do presidente Jair Bolsonaro para ato a Suprema Corte e o Congresso Nacional, estaria revelada a “a face sombria de um presidente da República que desconhece o valor da ordem constitucional”. As declarações de Celso foram em entrevista à “Folha de S.Paulo”.


FECHAR