publicidade
14/02/20
Foto: Roberto Soares/Alepe
Foto: Roberto Soares/Alepe

Governo deveria baixar R$ 0,10 na gasolina em Pernambuco, diz deputado

14 / fev
Publicado por José Matheus Santos em Notícias às 9:59

O deputado estadual Alberto Feitosa (Solidariedade) usou a tribuna da Assembleia Legislativa para falar sobre o imposto cobrado sobre o combustível (ICMS). O parlamentar lançou um desafio ao Governo Estadual para mudar o valor da gasolina.

Na avaliação de Feitosa, a pesquisa realizada pelo Poder Executivo de Pernambuco e que deve ser apresentada ao Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) “está errada, não seguindo os parâmetros da Agência Nacional do Petróleo há 13 meses”.

Alberto Feitosa destacou, no pronunciamento, que o Estado é obrigado a realizar quinzenalmente a pesquisa do valor médio dos postos e, desse valor, tributar 29%.

LEIA TAMBÉM:
» Bolsonaro diz que zera imposto sobre combustíveis se governadores zerarem ICMS
»  Secretário de Pernambuco devolve a Bolsonaro pedido por menos imposto sobre combustíveis
» Paulo Câmara rebate Bolsonaro sobre ICMS dos combustiveis

“Desde dezembro de 2018, o valor cobrado está sendo R$ 4,60, não condizendo com os valores variáveis apresentados nas últimas tabelas. Fazendo uma média ponderada dos valores apresentados nos últimos 13 meses, nós, consumidores, estamos pagando R$ 0,10 por litro a mais do que deveríamos”, afirmou Alberto Feitosa.

Em entrevista ao blog nesta sexta-feira (14), Alberto Feitosa disse que o impacto da redução de R$ 0,10 para o consumidor pode ser benéfico por conta do acumulado.

“Muita gente diz que é pouco 10 centavos, mas, se multiplicarmos por 55 litros de um tanque em média e multiplicar por 12 meses, o impacto é alto”, disse.

Alberto Feitosa ainda defendeu que o preço cobrado no combustível seja mudado a partir do dia 1º de março.

“Se o Governo do Estado apresentar os valores corretos, poderá, a partir do dia 1º de março, diminuir R$ 0,10 por litro em cada bomba de combustível. Pernambuco precisa imediatamente assumir o protagonismo desse processo. Poderíamos sair na frente de todo o Brasil e sem necessitar de nenhuma ação do Governo Federal e da Assembleia Legislativa. Eu lanço esse desafio”, concluiu o deputado.


FECHAR