publicidade
25/01/20
Foto: Reprodução/Google Maps
Foto: Reprodução/Google Maps

Porto Digital, uma política pública de respeito. Por Alcides Pires

25 / jan
Publicado por José Matheus Santos em Opinião às 12:17

Por Alcides Pires, empresário de tecnologia, em artigo enviado ao blog

Onze mil pessoas empregadas, com renda quase 3 vezes maior que a média do Estado. Mais de 300 empresas, cuja arrecadação de ISS por funcionário é 6 vezes a média das empresas de serviço da cidade. A inscrição de Pernambuco no mapa mundial da inovação, da produção de software, da preparação de profissionais. Muitas empresas líderes nos seus mercados no Brasil. A maioria das empresas com faturamento majoritariamente fora de Pernambuco. Algumas com faturamento importante fora do Brasil.

Uma região da cidade recuperada da degradação para uma vida econômica ativa. Dezenas de imóveis públicos e privados, muitos deles de valor histórico, que passaram de escombros a lâminas, salas e espaços de trabalho, com mais de 100 mil metros quadrados de espaço produtivo novo por dentro, com suas estruturas requalificadas e preservadas e com suas fachadas voltando a sorrir aos recifenses e visitantes.

Isso é o saldo de uma política pública que se encontrou com a Academia e os Empreendedores para formar o que conhecemos como Porto Digital.
São quase 20 anos dessa política posta em prática. Muito investimento público, e ainda mais investimento privado. Centenas de milhares de horas de dedicação voluntária de empreendedores cívicos, que doaram seu tempo e capacidade para dar suporte a essa política que hoje é referência para o Brasil e até para outros países.

Só para citar um exemplo, no livro Global Clusters of Innovation o pesquisador Jerome S. Engel, da Universidade de Berkeley, coloca Recife ao lado de cidades como Londres, San Francisco, Austin, Berlim e outras poucas como um cluster de inovação de destaque. E também muitas tantas horas de profissionais contratados, consultores, cientistas, professores, especialistas em diversas áreas que aportaram e aportam sua competência para esta política.

Para ser a referência dessa política pública, o seu núcleo de gestão precisa ele próprio se renovar e inovar, e é o que faz, reposicionando suas prioridades para a formação de pessoas, rede de negócios e política de cidades.

Depois de realizar os investimentos com os quais se compromete, gerando uma infraestrutura para os negócios de tecnologia que envolve de conectividade a formação de pessoal e passando por marketing competente que destaca o Recife neste cenário de inovação, o NGPD (Núcleo de Gestão do Porto Digital) entrega uma base com as quais empresas estabelecidas, startups, centros de pesquisa e desenvolvimento, órgãos públicos e escolas podem usar para dar suporte aos seus produtos, serviços e habilidades e com isso conquistar seus próprios mercados. Das 10 maiores empresas que hoje estão no parque, 8 foram formadas em Pernambuco.

O Porto Digital é uma política pública bem-sucedida em qualquer que seja o ângulo do qual se observe: emprego, renda, cidadania, crescimento humano, desenvolvimento urbano, marketing, negócios. Não por acaso é essa referência.

Integra um conjunto de instituições que trabalham para oferecer um leque de serviços às empresas, das nascentes às mais maduras. Da empresa individual à multinacional de DNA pernambucano. Junto com as Universidades, o CESAR, SoftexRecife, Assespro, Seprope, Manguezal, Anjos do Brasil e outras, é possível abrigar e preparar melhores startups, articular investidores, conectar oportunidades de mercado. E dado o ambiente legal para promoção da inovação no setor público, oferece também uma metodologia de inovação aberta de aplicação prática, que de um lado estrutura o órgão que busca inovação, e de outro oferece oportunidades para as empresas inovadoras que desejam participar de forma pública, aberta e democrática.

Também é protagonista do Match Day, iniciativa que já apresentou as soluções práticas das empresas do ecossistema a cerca de 60 grandes empresas privadas, incluindo grandes indústrias, construtoras, empresas comerciais, de serviços, bancos e setor hoteleiro. Todas empresas privadas, de Pernambuco e de outras partes do Brasil e do mundo, que veem no Porto Digital uma fonte de inovação e tecnologia para os seus negócios.

E há mais que tecnologia. A Economia Criativa, segmento econômico que mescla cultura e criatividade, arte e ciência, inspiração e transpiração, tradição e inovação, erudição e simplicidade, encontra nessa política pública um espaço para que o talento seja aliado da técnica para a conquista de fãs e de mercado consumidor.

O Porto Digital ainda promoveu o encontro da tecnologia com a economia criativa num evento anual que é abraçado pela cidade. O Rec´n´Play é palco, vitrine e palanque para a nossa rica diversidade de produtos, serviços, talentos e habilidades. Nestes quase 20 anos, os executivos e líderes empresariais buscaram concertações que alinhassem da melhor forma possível os recursos, às vezes escassos, para produzir o melhor para Recife e Pernambuco.

Nem sempre as ações levaram aos melhores resultados. Estamos no mundo real, e estes são os erros de quem se propõe a FAZER. De quem se dispõe a arriscar sair da zona de conforto, a empenhar reputações e patrimônios com o objetivo de construir algo que sirva à coletividade e ao bem comum, sabendo que cada conquista traz benefícios para todos, e viabiliza para a nossa cidade com um futuro econômico promissor neste século. Foram e são muitos protagonistas, a quem devemos muito pelo que já fizeram.

Valeu a pena investir. Apenas no ano de 2019 a arrecadação de ISS superou todo o investimento inicial que foi feito com o fundo oriundo da venda da Celpe e que ajudou a restaurar alguns prédios. O pagamento de salários, maior insumo da nossa indústria limpa, chega a cifras bilionárias e ajuda na formação do produto interno de Pernambuco. Temos poucas políticas públicas de tanto sucesso no Brasil.

Olhando para a frente, estamos apenas no começo. Há muito a fazer. Precisamos de muitos mais cérebros, braços, pessoas, recursos, conhecimentos, conexões. Do apoio de todas as pernambucanas e pernambucanos, e ainda mais dos que ocupam e ocuparam posições de destaque e que de alguma forma podem realizar algo para agregar valor a este ecossistema. Os desafios são imensos, mas já temos bagagem e as mãos repletas de resultados para mostrar, o que nos destaca de tantas outras iniciativas pelo mundo afora.

Parabéns por isso, Pernambuco.


FECHAR