publicidade
17/01/20

Entidades judaicas condenaram fala de ministro da Cultura

17 / jan
Publicado por jamildo em Notícias às 13:49

“Quem recita Goebbels e o nazismo não pode servir a governo nenhum no Brasil”

A Federação Israelita do Estado de São Paulo (Fisesp), representante da comunidade judaica paulista e entidade apartidária, repudiou a fala do secretário da Cultura do governo federal, Roberto Alvim.

“O uso de discurso nazista é inadmissível.”

“Jamais ficaremos calados e rejeitamos a banalização de um episódio trágico para a Humanidade, responsável pelo Holocausto, com a morte de 6 milhões de judeus, e o assassinato de dezenas de milhões de outros inocentes, como ciganos, negros, homossexuais, comunistas, entre outros.”

“Reiteramos a nota emitida pela Confederação Israelita do Brasil, entidade da qual somos filiados: “Emular a visão do ministro da Propaganda nazista de Hitler, Joseph Goebbels, é um sinal assustador da sua visão de cultura, que deve ser combatida e contida. Quem recita Goebbels e o nazismo não pode servir a governo nenhum no Brasi”l.

A Confederação Israelita do Brasil (Conib) considera inaceitável o uso de discurso nazista pelo secretário da Cultura do governo Bolsonaro, Roberto Alvim.

“Emular a visão do ministro da Propaganda nazista de Hitler, Joseph Goebbels, é um sinal assustador da sua visão de cultura, que deve ser combatida e contida. Goebbels foi um dos principais líderes do regime nazista, que empregou a propaganda e a cultura para deturpar corações e mentes dos alemães e dos aliados nazistas a ponto de cometerem o Holocausto, o extermínio de 6 milhões de judeus na Europa, entre tantas outras vítimas”.

“O Brasil, que enviou bravos soldados para combater o nazismo em solo europeu, não merece isso. Uma pessoa com esse pensamento não pode comandar a cultura do nosso país e deve ser afastada do cargo imediatamente”.

No Recife, o dirigente do MBL Rodrígo Ambrósio protestou também.

“Demitir é pouco! O Presidente tem a obrigação de se retratar oficialmente, em mensagem clara e direta para toda nação, pois foi uma declaração de governo! Além disso, tem que pedir a prisão do ex-secretário e dos envolvidos! Ou é isso, ou o presidente assume que só demitiu o secretário por conta da má repercussão, assumindo também a existência de um governo nazista”.

Entenda a polêmica

O secretário especial da Cultura, Rodrigo Alvim, foi demitido nessa sexta-feira (17) após vídeo em que reproduz um discurso bem semelhante ao do o ministro da Propaganda do governo de Adolf Hitler para anunciar o Prêmio Nacional das Artes.

Pela manhã, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), classificou como “inaceitável” e pediu a demissão imediata do membro do governo.

Na fala de Alvim, ele afirma que “a arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes do nosso povo, ou então não será nada”.

O secretário disse ainda que “ao país a que servimos, só interessa uma arte que cria a sua própria qualidade a partir da nacionalidade plena”. O discurso é semelhante e utiliza termos iguais ao de Joseph Goebbels, ministro do governo de Hitler.

Pelas redes sociais, Rodrigo Alvim se justificou dizendo que foi apenas uma “coincidência retórica” e que jamais citaria Goebbels. A fala gerou polêmica e indignação de diversas lideranças políticas, principalmente entre deputados federais.


FECHAR