publicidade
15/01/20
Marília Arraes (Foto: Sérgio Bernardo/Acervo JC Imagem)
Marília Arraes (Foto: Sérgio Bernardo/Acervo JC Imagem)

Presidente do PT no Recife demonstra má vontade com Marília Arraes

15 / jan
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 14:26

O presidente do PT do Recife, Cirilo Mota, convocou uma reunião para esta quarta-feira (15) para apresentar “importante resolução” da executiva na capital pernambucana. Aliado do senador Humberto Costa, Mota falou sobre um indicativo para que os petistas se mantenham na Frente Popular, com o PSB. Se essa fosse a decisão final para as próximas eleições, o partido não lançaria a candidatura da deputada federal Marília Arraes e apoiaria o primo dela João Campos, filho do ex-governador Eduardo Campos.

“O caminho que a executiva do PT encaminha para o debate é um caminho de aliança”, afirmou ao Jornal do Commercio.

A entrevista foi um dia após o Blog de Jamildo publicar a articulação do PSL de Luciano Bivar, após o rompimento com Jair Bolsonaro, para voltar a se aliar ao PSB.

O presidente do partido na capital pernambucana apresentou ao JC o texto de uma resolução aprovada no último dia 8, em que a executiva municipal defende o apoio aos socialistas e a prioridade à formação de uma chapa de vereadores. De acordo com Mota, o objetivo é de dobrar o número atual, que é de dois parlamentares, com João da Costa e Jairo Britto. Além deles, que são pré-candidatos à reeleição, a chapa deve incluir o ex-vereador Osmar Ricardo, e a presidente do Sindicato dos Bancários, Suzaneide Rodrigues, por exemplo.

A resolução defende também a participação do PT nos governos Geraldo Julio, através da pasta de Saneamento, e Paulo Câmara, com a Secretaria de Desenvolvimento Agrário, a Empresa Pernambucana de Transportes Intermunicipais (EPTI) e a Secretaria Executiva de Desenvolvimento Social.

Para Cirilo Mota, a aliança é ainda uma estratégia contra os possíveis candidatos de direita. “Nossa principal tática é derrotar o governo Bolsonaro”, explicou. Humberto Costa usa o mesmo argumento.

Mota alegou também que a aliança com o PSB foi vitoriosa em 2018. “Foi nesse campo de aliança que os governos do PT se elegeram, com João Paulo [hoje no PCdoB, após romper com os petistas por causa da divisão do partido entre lançar ou não Marília Arraes para o Governo de Pernambuco] e João da Costa”, disse o presidente do partido no Recife.

Na última eleição, quando a candidatura de Marília Arraes foi retirada para viabilizar o retorno do PT à aliança, Humberto Costa foi reeleito para o Senado e a parlamentar e Carlos Veras para a Câmara dos Deputados. 

Na mesma chapa que Humberto Costa, foi eleito Jarbas Vasconcelos (MDB), opositor dos petistas.

PT e PSB romperam no Recife em 2012, quando Eduardo Campos aproveitou um racha no partido, que não lançou João da Costa à reeleição, para viabilizar a candidatura de Geraldo Julio. Em 2014, o PT entrou na chapa de Armando Monteiro Neto (PTB), formando a coligação também na chapa proporcional, e não conseguiu eleger nenhum deputado federal. Já em 2018, também dividido após a desistência da postulação de Marília Arraes, os petistas formaram uma chapa “puro sangue”.

Para 2020, a deputada tenta viabilizar a candidatura à Prefeitura do Recife. Quando visitou o Recife após ter sido solto, em novembro, o ex-presidente Lula (PT), visitou Marília Arraes. Porém, se encontrou também com João Campos.


FECHAR