publicidade
11/12/19
Abraham Weintraub, ministro da Educação (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Abraham Weintraub, ministro da Educação (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

‘Weintraub faz mal à Educação brasileira’, diz João Campos. Ministro reitera que há plantações de maconha nas universidades

11 / dez
Publicado por jamildo em Notícias às 18:07

O deputado federal João Campos (PSB-PE) confrontou o ministro da Educação, Abraham Weintraub, na visita dele à Câmara dos Deputados.

João Campos afirmou que “Weintraub faz mal à Educação brasileira”, além de ter questionado o programa Future-se e ter dito que lutaria pela autonomia universitária.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, em debate na Câmara dos Deputados nesta manhã, reafirmou que há plantações de maconha nas universidades e que seus laboratórios de química são usados para produção de drogas sintéticas.

“As provas encontram-se em material acessível que encontrei na internet”, disse.

O ministro foi convocado pela Comissão de Educação da Câmara dos Deputados para dar explicações sobre declarações dada à imprensa no mesmo sentido.

Weintraub mostrou matéria antiga da TV Record mostrando plantação de maconha na Universidade de Brasília (UnB).

“O problema não é a plantação em si, mas o que ela reflete”, disse.

“As plantações são reflexo de um consumo exagerado, fora de controle, nas universidades.”

O vídeo provocou reações indignadas de vários deputados.

“Se a pauta vai ser exclusivamente esta diante de tudo que está se passando de crise nas universidades, é um desrespeito profundo à educação, e vou me retirar”, disse o deputado Marcelo Freixo (Psol-RJ). “É um insulto aos educadores”, completou.

“Eu peço para que esse assunto seja levado a sério, porque tem um monte de vidas sendo destruídas sobre isso”, rebateu o ministro.

“Estou à disposição para vir aqui debater a educação”, acrescentou Weintraub. “O Psol me convocou aqui para falar sobre isso.”

A reunião começou com bastante bate-boca e confusão.

Uma das requerentes, a deputada Rosa Neide (PT-MT), pediu que a reitora da UnB, Márcia Abrahão, entrasse e permanecesse na comissão.

Outros requerimentos de convocação do ministro foram apresentados pelos deputados Margarida Salomão (PT-MG), Ivan Valente (Psol-SP), Bacelar (Pode-BA) e Alencar Santana Braga (PT-SP).


FECHAR