publicidade
08/12/19
Foto: Alan Santos/Presidência da República
Foto: Alan Santos/Presidência da República

Queda de popularidade de Bolsonaro é freada, mas aprovação é menor que Dilma, Lula e FHC

08 / dez
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 14:23

Após aumentar oito pontos percentuais nos oito primeiros meses de governo, a taxa de reprovação da administração de Jair Bolsonaro (sem partido) oscilou de 38% em agosto para 36% na primeira semana de dezembro. A variação é dentro da margem de erro da pesquisa Datafolha, divulgada neste domingo (8) pelo jornal Folha de S. Paulo.

A aprovação à gestão atual oscilou de 29% para 30%, também dentro da margem de erro, que é de dois pontos percentuais. Os que avaliam o governo como regular são 32% e em agosto eram 30%.

Os que não sabem ou não opinaram são 1% dos entrevistados.

LEIA TAMBÉM
» Comprova: Não é possível determinar popularidade de Bolsonaro ou de qualquer presidente só por alcance em redes sociais
» Pesquisa aponta que Bolsonaro não tem nome competitivo para disputar eleição no Recife
» Bolsonaro tem 32% e Lula, 29%, mostra pesquisa. Moro venceria o petista em 2º turno
» ‘Estou casado com Mourão e sem amante’, diz Bolsonaro sobre Moro vice em 2022

A maior rejeição a Bolsonaro continua sendo na região Nordeste, onde 50% classificam o governo como ruim ou péssimo. No Sul, os que avaliam como bom ou ótimo são 40%.

A expectativa em relação à administração de Bolsonaro caiu na pesquisa. De acordo com o Datafolha, em abril era de 59%, passando para 45% em agosto e 43% na primeira semana de dezembro.

Além disso, a maioria dos entrevistados afirmou que Bolsonaro tem comportamentos que não condizem com o cargo de presidente. Vinte e oito por cento dos entrevistados afirmaram que ele nunca age da forma adequada, 25% responderam que é na minoria das ocasiões, 28% afirmaram que é na maioria das ocasiões e 14% disseram que é sempre.

Dos entrevistados, 43% apontaram que nunca confiam no que Bolsonaro diz, 37% confiam às vezes e 19% sempre.

Outros presidentes

Considerando a avaliação ruim ou péssima ao longo de 12 meses de mandato, Bolsonaro, com 36%, está no maior patamar desde Fernando Henrique Cardoso (PSDB). O tucano tinha 15%.

O antecessor dele, Fernando Collor, tinha 34%. Já Dilma Rousseff e Lula, ambos do PT, tinham 6% e 15%, respectivamente.

Foram entrevistadas pelo Datafolha 2.948 pessoas na quinta (5) e na sexta-feira (6), em locais de grande circulação de pessoas de 176 municípios.


FECHAR