publicidade
08/12/19
Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem

Em protesto no Recife, Vem Pra Rua pede prisão em 2ª instância

08 / dez
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 16:22

Do Blog de Jamildo, com informações da repórter Luisa Farias, do Jornal do Commercio

Para pedir a tramitação do projeto de lei do Senado que muda o Código de Processo Penal, permitindo a prisão de condenados em segunda instância, o movimento Vem Pra Rua realiza uma manifestação na Avenida Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, na tarde deste domingo (8).

No protesto, o grupo criticou, além de Lula (PT), o Supremo Tribunal Federal (STF) e os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre, ambos do Democratas. Por outro lado, faixas e camisas exaltavam o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

O Vem Pra Rua também fez uma faixa com deputados pernambucanos que estariam contra, a favor ou indecisos em relação à proposta, que é do Senado.

Foto: Luisa Farias/JC

A tramitação do projeto defendido pelo movimento foi paralisada após um acordo entre lideranças partidárias para priorizar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) apresentada na Câmara sobre o mesmo assunto. Por mudar a lei maior, no entanto, ela tem ritos mais lentos e demanda o apoio de três quintos de cada Casa legislativa.

O argumento para o acordo é de que o projeto de lei do Senado, defendido pelo grupo, poderia ter a constitucionalidade questionado. O Supremo mudou o seu entendimento no mês passado e definiu a Constituição prevê a ilegalidade da prisão sem que tenha havido o trânsito em julgado, ou seja, antes que todos os recursos sejam analisados.

A coordenadora local do Vem Pra Rua, Maria Dulce Sampaio, defendeu que o projeto do Senado seria mais ágil. “É para dar mais celeridade ao processo”, afirmou. “Vai ser o império da impunidade? Que exemplo estamos dando para o mundo? Isso prejudica também a economia, que traga investimentos para um país onde todo mundo é solto, uma baderna generalizada”.

Como a adesão não foi considerada suficiente, os manifestantes decidiram não sair do ponto de concentração, em frente à Padaria Boa Viagem.

Durante o protesto, foi realizada uma performance com pessoas mascaradas presas e, nas roupas, tarjas com os nomes de Lula e de outros petistas como João Vaccari Neto e José Dirceu, além de “traficante”, “pedófilo”, “assaltante” e “estuprador”. Davi Alcolumbre foi representado abrindo as grades e libertando os outros.


FECHAR