publicidade
01/12/19
Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República
Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República

Deputado quer anular programa de escolas cívico-militares

01 / dez
Publicado por Blog de Jamildo em Notícias às 10:36

Da Agência Câmara

Um Projeto de Decreto Legislativo (PDL) propõe suspender o decreto do presidente Jair Bolsonaro que criou o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim), por meio do qual a gestão de escolas públicas de ensino fundamental e médio será compartilhada entre educadores e militares, das Forças Armadas e polícias.

A anulação do Decreto 10.004/19 foi pedida pelo deputado Ivan Valente (SP), com apoio da bancada do seu partido, o PSOL. Segundo ele, a “militarização do ensino público”, que cresceu a partir de 2013, está sendo feita sem que se saiba o impacto na qualidade da educação pública ou as implicações da presença de militares, inclusive inativos, em uma área estranha à sua formação e atuação.

LEIA TAMBÉM
» Jaboatão define que escola em Cajueiro Seco será primeira unidade a testar modelo cívico-militar em 2020
» MEC anuncia cidades que terão escolas cívico-militares. Jaboatão é a única de Pernambuco
» Renato Antunes diz querer adesão de Recife ao programa das escolas cívico militares
» Secretário nega fator político em Pernambuco não aderir às escolas cívico-militares
» No Nordeste, apenas o Ceará adere ao Programa das Escolas Cívico-Militares

Para Valente, o decreto afronta a legislação educacional, entre outros motivos, por não respeitar a autonomia pedagógica e administrativa das escolas. “Os entraves legais para a implementação do Pecim são evidentes”, disse.

Foto: Gilmar Felix / Câmara dos Deputados

O deputado afirmou ainda que a militarização das escolas civis vem sendo questionada pelo Judiciário e pelo Ministério Público em diversos estados, já que o Pecim é executado em parceria com estados, Distrito Federal e municípios.

“Na Bahia, o Ministério Público Federal, instruiu as escolas públicas municipais que passaram a ter gestão compartilhada com a Polícia Militar a deixar de restringir a liberdade de expressão e a intimidade ou violar a vida privada dos alunos”, exemplificou.

O projeto será analisado pelas comissões de Educação; e Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ). Depois seguirá para o Plenário da Câmara.


FECHAR