publicidade
28/11/19
Foto: Roberto Stuckert Filho/Divulgação
Foto: Roberto Stuckert Filho/Divulgação

Bolsonaro ‘taxa as grandes pobrezas’, ironiza Humberto Costa

28 / nov
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 11:38

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), criticou o plano do governo federal de acabar com a desoneração de itens da cesta básica. “Em vez de taxar as grandes fortunas, o governo taxa as grandes pobrezas”, afirmou o parlamentar.

Em entrevista ao jornal O Globo, Vanessa Rahal Canado, assessora especial do ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que essa proposta faz parte da reforma tributária que deverá ser encaminhada ao Congresso Nacional. Hoje, alimentos como arroz e feijão são isentos do PIS/Cofins.

LEIA TAMBÉM
» Governo reduz estimativa do salário mínimo em 2020
» FBC diz que governo pode recuar em cobrança sobre seguro-desemprego
» Comprova: Redução da multa do FGTS de 40% para 20% só valerá para jovens e deverá ser acordada em contrato
» Fala de Paulo Guedes sobre pedido por AI-5 gera reação do Congresso e STF
» Geraldo Julio defende que reforma tributária libere consumo dos mais pobres e ‘morda’ os mais ricos

Com a medida, os mais pobres seriam ressarcidos posteriormente. O modelo ainda não foi apresentado oficialmente.

“O que ele está propondo é que pessoas com renda mensal de até R$ 178 reais paguem mais por produtos básicos para depois serem ressarcidos pelo governo. O povo vai comprar o arroz e não vão ter dinheiro para comprar o pão porque o governo só vai restituir o dinheiro no outro mês”, afirmou Humberto Costa. “O consumo de ovo no Brasil segue batendo recorde porque o brasileiro não tem mais dinheiro para comprar carne. Se esse projeto passar, vai ficar difícil para o brasileiro comprar até o ovo”.

Humberto Costa ainda fez referência à Medida Provisória editada pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) criando o Contrato de Trabalho Verde e Amarelo. O texto desobriga o pagamento de encargos pelas empresas nesse tipo de contratação e, para compensar a queda na arrecadação, o governo adotou a contribuição previdenciária por quem recebe o seguro-desemprego.

“Depois de anunciar que vai taxar os desempregados, o governo quer acabar com a cesta básica e diminuir ainda mais o acesso das pessoas a produtos essenciais”, disse.


FECHAR