publicidade
26/11/19
Foto: Leo Motta/JC Imagem
Foto: Leo Motta/JC Imagem

Cuidar da vida das mulheres precisa ser política de estado. Por Dani Portela

26 / nov
Publicado por Blog de Jamildo em Opinião às 11:00

por Dani Portela, ex-candidata a governadora nas eleições de 2018, advogada e membro do Conselho de Advocacia Popular da OAB Pernambuco

OUVI DIZER QUE NUMA MULHER

NÃO SE BATE NEM COM UMA FLOR

LOIRA OU MORENA, NÃO IMPORTA A COR

NÃO SE BATE NEM COM UMA FLOR.

JÁ SE ACABOU O TEMPO

QUE A MULHER SÓ DIZIA ENTÃO:

XÔ, GALINHA!

CALA A BOCA, MENINO!

AI, AI, AI NÃO ME DÊ MAIS NÃO!

(Cala boca, menino! – Capiba)

Dançante, de refrão fácil, embora enigmático, que tocava de forma “divertida” um tema triste – o da violência contra a mulher. Uma música frequentemente cantarolada por aqui em meios a sombrinhas coloridas e bonecos gigantes, que chama atenção para um tema sério e nada divertido. A mulher dos versos de Capiba era, simultaneamente, uma mulher e um gênero, o feminino.

Ontem, 25 de novembro é o dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as mulheres. Em todo mundo, acontecem ações pelo enfrentamento a violência de gênero, que se tornou um grave problema na contemporaneidade, constituindo um verdadeiro desafio para consciência do nosso tempo.

Nossa história é marcada por grandes mulheres que abriram caminho para essa luta tão importante, por isso o dia de hoje é justamente dedicado as irmãs Mirabal, três combatentes da ditadura de Rafael Leónidas na República Dominicana. Foram assassinadas por lutar em defesa dos direitos humanos e da democracia.

No Brasil, os números são estarrecedores. Se alguém acha que é exagero, vamos às estatísticas que não nos deixam mentir. A cada dia três mulheres são vítimas de feminicídio no Brasil, de acordo com a Atlas da Violência 2019. A cada 2 minutos, uma mulher registra uma agressão sob a Lei Maria da Penha; a cada nove minutos, uma mulher é vítima de estupro. Em 2018, cerca de 61% das mulheres vítimas de feminicídio eram negras, segundo o mesmo Atlas da Violência.

Precisamos visualizar outros extratos, com vários níveis de olhares sobre o tema, buscando traçar um plano de escavação, para descer a camadas mais profundas e de sentidos nem sempre revelados por essas práticas.

Sabemos que estes números são subnotificados. Muitas mulheres não procuram o poder público quando são violentadas. Ao pensarmos na realidade de Pernambuco, existem poucas delegacias especializadas. Muitas não funcionam 24h e em inúmeros municípios sequer existe uma. Sendo assim, surge uma questão: por que o cuidado com a vida da mulher não é uma prioridade para o estado? Precisamos urgentemente investir em prevenção. Para isso a educação tem um papel fundamental para conscientizar as pessoas sobre os direitos das mulheres.

É urgente que mais mulheres ocupem os espaços de decisão e poder. No Legislativo, onde as leis são criadas; e no Executivo, onde as decisões são tomadas; precisamos de mais mulheres. A caneta precisa estar também nas nossas mãos. Só assim, com mais mulheres como sujeito de direitos, teremos uma sociedade melhor para nossas mães, irmãs e filhas.

Precisamos de mais mulheres na política, porque é urgente, porque precisamos de uma cidade melhor para todas e todos. É urgente! É pela vida das mulheres!


FECHAR